"HALL OF FAME" - CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO GERAL AQUI:

NÃO SOU CADASTRADO                                                         NÃO LEMBRO A SENHA/USUÁRIO
usuario: senha:

OBJETIVA: (339400 votos)..........94.94% das questões objetivas receberam votos.
O desenvolvimento de lupus sistemico (LES) durante a evolução da doença em crianças com artrite idiopática juvenil pode aparecer na forma:
A. sistemica
B. pauciarticular
C. poliarticular
D. associada com entesite
E. psoriasica

  RATING: 2.78

O desenvolvimento de lupus sistemico (LES) durante a evolução da doença em crianças com artrite idiopática juvenil pode aparecer na forma:

A. sistemica
INCORRETO: veja a resposta da alternativa C
B. pauciarticular
INCORRETO : veja a resposta da alternativa C
C. poliarticular
CORRETO : O desenvolvimento de LES durante a evolução da doença em crianças com ARJ pode aparecer na forma poliarticular, principalmente quando apresentam ANA em altos títulos.
D. associada com entesite
INCORRETO : veja a resposta da alternativa C
E. psoriasica
INCORRETO : veja a resposta da alternativa C

Gabarito:  C

AVALIE ESSA QUESTÃO: (2.78)
DISCURSIVA: (79875 votos) ..........99.06% das questões discursivas receberam votos.
Enumeram as diferenças fundamentais das vias aéreas da criança em relação com as vias aéreas do adulto (0,5 pontos)

RATING: 3.25

Enumeram as diferenças fundamentais das vias aéreas da criança em relação com as vias aéreas do adulto (0,5 pontos)

  1. Cavidade oral pequena (0,0625 p)
  2. Lingua grande em relação ao orofaringe (0,0625 p)
  3. A angulação da mandibula é maior (0,0625 p) (140° no lactente e 120° no adulto) (0,0625 p)
  4. A epiglote é deformada em "U" muito mais que no adulto (0,0625 p)
  5. A laringe está em posição mais cefálica (glote em C3 em lactentes e C5 e C6 em adultos) (0,0625 p)
  6. O anel cricóide é a parte mais estreita das vias aéreas em crianças abaixo de 10 anos (0,0625 p)
  7. A traquéia é mais curta (em recém-nascidos, 4 a 5 cm e aos 18 meses, 7 a 8 cm) (0,0625 p)

FONTE:
Abordagem em criança politraumatizada Inicial care in severe pediatric trauma Sulim Abramovici, Renato Lopes de Souza - Jornal de Pediatria - Vol. 75, Supl.2, 1999

AVALIE ESSA QUESTÃO: (3.25)

CASO CLINICO: (83964 votos)..........100% dos casos clinicos receberam votos.
A.L.S., 32 anos, masculino, lavrador, natural e residente cem Governador Valadares, casado. Relata que sua doença iniciou há 2 semanas, quando foi acometido repentinamente de violenta hematêmese, vomitando ± 2 litros de sangue vermelho rutilante e uma certa porção de sangue escuro coagulado, seguido de tonteira e sudorese. Internado imediatamente, tomou 2 litros de sangue. No dia seguinte ao internamento, surgiu-lhe melena , que durou de 3 a 4 dias. Sete dias após recebeu alta hospitalar. Já em bom estado de saúde e foi-lhe recomendado procurar recursos em Belo Horizonte para submeter-se a tratamento cirúrgico. Relata contacto permanente com águas naturais da região.
EXAME FÍSICO:
Paciente em bom estado de nutrição, mucosas hipocoradas, PA 120/70, pulso 72 pulsações/minuto, com hepatoesplenomegalia e circulação colateral abdominal tipo porta. O fígado era palpável a 3 dedos (5,5 cm) do rebordo costal direito, de consistência aumentada, liso indolor. Baço tipo III de Boyde. Ausência de ascite, edemas, aranhas vasculares.

1) Enumeram as causas prováveis da hematêmese.

2) Quais são os exames de laboratório que você vai pedir? Justifique.

3) Qual é a principal hipótese diagnóstica e porque?


RATING: 4.12

1) CAUSAS DE HEMATÊMESE

Varizes de esôfago
- Lacerações de Mallory Weiss
- Esofagite erosiva
- Medicamentos como aspirina, AINES
- Câncer de esôfago

2) EXAMES NECESSÁRIOS:
Eletroforese de Proteínas (avaliar a função hepatica e fazer o escore Child-Plough)
- Tempo de Protrombina (avaliar a função hepatica, a coagulação e fazer o escore Child-Plough)
Transaminases (avaliar a função hepatica)
- Hemograma (geralmente universalmente solicitada, oferece importantes informações sobre eventuais processos patologicos)
- Exame parasitologico das fezes (a hipertensão portal pode ser de origem parasitária - S. mansoni??)

3) A PRINCIPAL HIPÓTESE DIAGNOSTICA:

HIPERTENSÃO PORTAL

Forte suspeita diagnóstica: Hipertensão portal por Esquistossomiase mansonica:
- não apresentando antecedentes de etilismo ou outras doenças cirógenas
- idade jóvem, contato com águas possivelmente contaminadas
- ausência de ascite, edemas, aranhas vasculares.  (hipertensão portal pre-sinusoidal?)

AVALIE ESSE CASO CLINICO: (4.12)

 

1128 USUARIOS INSCRITOS

225 PROVAS FEITAS POR ASSINANTES

721 RECADOS DOS VISITANTES

NOSSO BANCO DE PROVAS TEM:
6586 QUESTÕES OBJETIVAS, PRECISAMENTE:

1529 DE CLINICA, 2947 DE PEDIATRIA, 1272 DE CIRURGIA, 219 DE OBSTETRICA-GINECOLOGIA, 368 DE SAUDE PUBLICA
106 QUESTÕES DISSERTATIVAS E 139 CASOS CLINICOS

Todos os direitos reservados. 2020.
O site misodor.com está online desde 04 de novembro de 2008
O nome, o logo e o site misodor são propriedade declarada do webmaster
Qualquer conteudo deste site pode ser integralmente ou parcialmente reproduzido, com a condição da menção da fonte.