"HALL OF FAME" - CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO GERAL AQUI:

NÃO SOU CADASTRADO                                                         NÃO LEMBRO A SENHA/USUÁRIO
usuario: senha:

OBJETIVA: (376631 votos)..........88.5% das questões objetivas receberam votos.
Em geral, a drenagem linfática do estômago faz um paralelo com a vasculatura e, essencialmente, drena para quatro zonas de linfonodos, Na tabela seguinte, a coluna esquerda apresenta os grupos ganglionares e a coluna direita as regiões que eles drenam. Marquem a associação correta:

A

grupo gástrico superior

1

a linha proveniente da parte superior da curvatura menor

B

grupo suprapilórico

2

linfa ao longo do pedículo vascular gastroepiplóico direito

C

grupo pancreaticolienal

3

porção alta da curvatura maior

D

gástrico/subpilórico inferior

4

o segmento antral da curvatura menor


A. 1-A 2-D 3-C 4-B
B. 1-C 2-A 3-D 4-B
C. 1-A 2-D 3-B 4-C
D. 1-C 2-B 3-A 4-D
E. 1-A 2-B 3-C 4-D

  RATING: 2.82

Em geral, a drenagem linfática do estômago faz um paralelo com a vasculatura e, essencialmente, drena para quatro zonas de linfonodos, Na tabela seguinte, a coluna esquerda apresenta os grupos ganglionares e a coluna direita as regiões que eles drenam. Marquem a associação correta:

A

grupo gástrico superior

1

a linha proveniente da parte superior da curvatura menor

B

grupo suprapilórico

2

linfa ao longo do pedículo vascular gastroepiplóico direito

C

grupo pancreaticolienal

3

porção alta da curvatura maior

D

gástrico/subpilórico inferior

4

o segmento antral da curvatura menor

A. 1-A 2-D 3-C 4-B
CORRETO: Em geral, a drenagem linfática do estômago faz um paralelo com a vasculatura e, essencialmente, drena para quatro zonas de linfonodos,

I. O grupo gástrico superior

DRENA: a linha proveniente da parte superior da curvatura menor para os linfonodos gástrico esquerdo e paracardial. (1-A)

II. O grupo suprapilórico

DRENA: o segmento antral da curvatura menor do estômago para os linfonodos suprapancreáticos. (4-B)

III. O grupo pancreaticolienal

DRENA: a linfa da porção alta da curvatura maior para os linfonodos gastroepíplóicos esquerdos e esplénicos. (3-C)

IV. O grupo gástrico/subpilórico inferior

DRENA: a linfa ao longo do pedículo vascular gastroepiplóico direito. (2-D)
B. 1-C 2-A 3-D 4-B
INCORRETO : veja a resposta da alternativa A
C. 1-A 2-D 3-B 4-C
INCORRETO : veja a resposta da alternativa A
D. 1-C 2-B 3-A 4-D
INCORRETO : veja a resposta da alternativa A
E. 1-A 2-B 3-C 4-D
INCORRETO : veja a resposta da alternativa A

Gabarito:  A

AVALIE ESSA QUESTÃO: (2.82)
DISCURSIVA: (86734 votos) ..........98.25% das questões discursivas receberam votos.
I) Quais são os efeitos do veneno bothropico? 0,15 pontos
II) Quais são os efeitos do veneno crotalico? 0,15 pontos
III) Em quais dos acidentes com animais peçonhentos encontramos a fácies neurotóxica de Rosenfeld e qual é a descrição da mesma? 0,2 pontos


RATING: 3.05

I) Quais são os efeitos do veneno bothropico? 0,15 pontos
II) Quais são os efeitos do veneno crotalico? 0,15 pontos
III) Em quais dos acidentes com animais peçonhentos encontramos a fácies neurotóxica de Rosenfeld e qual é a descrição da mesma? 0,2 pontos

I) Quais são os efeitos do veneno bothropico?
Os efeitos do veneneo bothropico são:
- coagulante 0,05 p
- hemorragico 0,05 p
- proteolitico 0,05 p
Discussão: Proteolítica: As lesões locais, como edema, bolhas e necrose, atribuídas inicialmente à “ação proteolítica”, têm patogênese complexa. Possivelmente, decorrem da atividade de proteases, hialuronidases e fosfolipases, da liberação de mediadores da resposta inflamatória, da ação das hemorraginas sobre o endotélio vascular e da ação pró-coagulante do veneno.
Coagulante: A maioria dos venenos botrópicos ativa, de modo isolado ou simultâneo, o fator X e a protrombina. Possui também ação semelhante à trombina, convertendo o fibrinogênio em fibrina. Essas ações produzem distúrbios da coagulação, caracterizados por consumo dos seus fatores, geração de produtos de degradação de fibrina e fibrinogênio, podendo ocasionar incoagulabilidade sangüínea. Este quadro é semelhante ao da coagulação intravascular disseminada. Os venenos botrópicos podem também levar a alterações da função plaquetária bem como plaquetopenia.
Hemorragica: As manifestações hemorrágicas são decorrentes da ação das hemorraginas que provocam lesões na membrana basal dos capilares, associadas à plaquetopenia e alterações da coagulação.
II) Quais são os efeitos do veneno crotalico?
Os efeitos do veneno crotalico são:
- neurotoxico 0,05 p
- miotoxico 0,05 p
- coagulante 0,05 p
Discussão: Neurotoxica: produzida principalmente pela fração crotoxina, uma neurotoxina de ação pré-sináptica que atua nas terminações nervosas inibindo a liberação de acetilcolina. Esta inibição é o principal fator responsável pelo bloqueio neuromuscular do qual decorrem as paralisias motoras apresentadas pelos pacientes.
Miotoxica: produz lesões de fibras musculares esqueléticas (rabdomiólise) com liberação de enzimas e mioglobina para o soro e que são posteriormente excretadas pela urina. Não está identificada a fração do veneno que produz esse efeito miotóxico sistêmico. Há referências experimentais da ação miotóxica local da crotoxina e da crotamina. Estudos mais recentes não demonstram a ocorrência de hemólise nos acidentes humanos.
Coagulante: Decorre de atividade do tipo trombina que converte o fibrinogênio diretamente em fibrina. O consumo do fibrinogênio pode levar à incoagulabilidade sangüínea. Geralmente não há redução do número de plaquetas. As manifestações hemorrágicas, quando presentes, são discretas.
III) Em quais dos acidentes com animais peçonhentos encontramos a fácies neurotóxica de Rosenfeld e qual é a descrição da mesma?
O fácies miastênica (fácies neurotóxica de Rosenfeld) é caracterizada pela ptose palpebral uni ou bilateral (0,05 p), flacidez da musculatura da face (0,05 p), alteração do diâmetro pupilar (0,05 p), incapacidade de movimentação do globo ocular (oftalmoplegia) (0,05 p). É caracteristico para o acidente crotalico grave (0,05 p).

FONTE:
Manual de Diagnóstico e Tratamento de Acidentes por Animais Peçonhentos

AVALIE ESSA QUESTÃO: (3.05)

CASO CLINICO: (91377 votos)..........100% dos casos clinicos receberam votos.
Mulher de 58 anos, trazida ao pronto socorro com história de ter sido encontrada caída na sala da casa. A filha relata que a mãe é diabética e hipertensa, em tratamento há 10 anos. Exame físico geral - obesidade.
No exame cardiológico, pressão arterial normal, pulsos normais, freqüência cardíaca de 80 batimentos por minuto.
No exame neurológico apresentava-se lúcida, com diminuição dos movimentos e da sensibilidade tátil, térmica e dolorosa no lado direito do corpo; diminuição dos movimentos do rosto, afasia e perda da visão na metade dos campos visuais.
A filha relata que a mãe dela já teve mais de uma vez quedas repentinas, as vezes cegueiras passageiras nos últimos 5 anos, com uma frequência de 2-3 vezes por ano.
1) Qual é a principal suspeita diagnóstica? (0,1 pontos)
2) Justifiquem o diagnóstico. (0,2 pontos)
3) Quais são as causas prováveis? (0,2 pontos)


RATING: 3.02

1) Qual é a principal suspeita diagnóstica?
O diagnóstico mais provável é de um acidente vascular cerebral, possivelmente isquêmico na região irrigada pela artéria cerebral média. Os AVC-s devem ser diferenciados da maioria dos processos expansivos cerebrais (neoplasias, abscessos, granulomas, hematomas subdurais) por estes terem uma instalação mais lenta e gradual no decorrer de semanas, geralmente sem regressão do quadro, a não ser que recebem tratamentos específicos. (0,1 p)
2) Justifiquem o diagnóstico.
Os AVC-s devem ser diferenciados da maioria dos processos expansivos cerebrais (neoplasias, abscessos, granulomas, hematomas subdurais) por estes terem uma instalação mais lenta e gradual no decorrer de semanas, geralmente sem regressão do quadro, a não ser que recebem tratamentos específicos. (0,2 p)
Os AVC-s se caracterizam por:
- Seu perfil evolutivo, com início abrupto dos sintomas, instalando-se o máximo do défice em horas, com posterior regressão.
- Evidência de lesão focal no sistema nervoso central.
- Quadro clínico correspondente a disfunção do território de irrigação de determinada artéria ou ramo arterial cerebral
3) Quais são as causas prováveis?
Hemiplegia, hemi-hipoestesia, hemianopsia homônima contra lateral, cegueira monocular ipsilateral passageira (amaurose fugaz) e afasia (em se tratando do hemisfério dominante para a fala, geralmente o esquerdo), antecedentes de amaurose fugaz, mais o sopro carotidiano bem audivel sugerem uma obstrução carotidiana, ou seja uma insuficiencia circulatoria extracraniana. (0,2 p)

AVALIE ESSE CASO CLINICO: (3.02)

 

1227 USUARIOS INSCRITOS

243 PROVAS FEITAS POR ASSINANTES

721 RECADOS DOS VISITANTES

NOSSO BANCO DE PROVAS TEM:
7294 QUESTÕES OBJETIVAS, PRECISAMENTE:

1715 DE CLINICA, 3410 DE PEDIATRIA, 1300 DE CIRURGIA, 231 DE OBSTETRICA-GINECOLOGIA, 387 DE SAUDE PUBLICA
114 QUESTÕES DISSERTATIVAS E 140 CASOS CLINICOS

Todos os direitos reservados. 2020.
O site misodor.com está online desde 04 de novembro de 2008
O nome, o logo e o site misodor são propriedade declarada do webmaster
Qualquer conteudo deste site pode ser integralmente ou parcialmente reproduzido, com a condição da menção da fonte.