"HALL OF FAME" - CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO GERAL AQUI:

NÃO SOU CADASTRADO                                                         NÃO LEMBRO A SENHA/USUÁRIO
usuario: senha:

 

OBJETIVA: (382261 votos)..........87.96% das questões objetivas receberam votos.
Paciente com doença de Crohn é submetido à ressecção ileal por formação de fístula. No ano seguinte, tem três episódios de cólica nefrética. O principal mecanismo envolvido é:
A. aumento da excreção de oxalato.
B. aumento da excreção de cálcio.
C. aumento da excreção de uratos.
D. redução de citratos.
E. aumento da absorção de cistina.

  RATING: 2.86

Paciente com doença de Crohn é submetido à ressecção ileal por formação de fístula. No ano seguinte, tem três episódios de cólica nefrética. O principal mecanismo envolvido é:

A. aumento da excreção de oxalato.
CORRETO: Na doença de Crohn, a maioria dos cálculos é constituída de oxalato de cálcio, devido a maior absorção e excreção urinária de oxalato. O oxalato proveniente da dieta, normalmente, não é absorvido quando ligado ao cálcio no intestino, porém nos casos de má absorção ou ressecção cirúrgica do intestino, permanece livre devido à fixação do cálcio aos ácidos graxos. Pode, também, ocorrer diminuição da quantidade de Oxalobacter formigens, uma bactéria intestinal responsável pela degradação do oxalato. Ademais, os ácidos biliares e os próprios ácidos graxos aumentam a permeabilidade do cólon ao oxalato. O conjunto dos fatores já mencionados favorece o aparecimento de hiperoxalúria e nefrolitiase com calculos oxalicos.
B. aumento da excreção de cálcio.
INCORRETO : veja a resposta da alternativa A
C. aumento da excreção de uratos.
INCORRETO : veja a resposta da alternativa A
D. redução de citratos.
INCORRETO : veja a resposta da alternativa A
E. aumento da absorção de cistina.
INCORRETO : veja a resposta da alternativa A

Gabarito:  A

AVALIE ESSA QUESTÃO: (2.86)
DISCURSIVA: (87335 votos) ..........97.39% das questões discursivas receberam votos.
Em relação à reposição volêmica na abordagem do paciente politraumatizado, discorra sobre a estimativa do volume necessário, tipo de líquidos mais apropriados, momento oportuno para o seu início e metodologia para avaliação da reposição. (0,5 pontos)

RATING: 3.04

Em relação à reposição volêmica na abordagem do paciente politraumatizado, discorra sobre a estimativa do volume necessário, tipo de líquidos mais apropriados, momento oportuno para o seu início e metodologia para avaliação da reposição. (0,5 pontos)

A reposição inicial é realizada com soluções cristaloides, preferindo-se a solução de Ringer Lactato, no volume de 2000 mililitros para um homem adulto de 70 quilogramas e 20 mililitros por quilograma de peso para crianças (0,095 p)
Reposições adicionais são realizadas de acordo com a estimativa da perda, com base nas classes de choque, na proporção de 3 (três) volumes repostos para cada volume perdido e com a resposta apresentada pelo paciente. (0,045 p)
Nas perdas superiores a 30 % da volemia, é necessária a reposição de glóbulos vermelhos com o objetivo de manter-se a hemoglobina em 10 gramas/100 mL. (0,045 p)
O momento ideal para iniciar-se a reposição volêmica é o mais precoce possível, mas às vezes deve ser retardado em função da possibilidade de perda sanguínea em evolução e da distância entre o local do acidente e o local de referência para o atendimento. (0,045 p)
Se o local do atendimento implique numa demora para remoção menor que 30 minutos e existam evidências de sangramento continuado, a reposição deve ser retardada e iniciada já no Hospital de referência. (0,045 p)
Quando o tempo estimado para a remoção for maior que 30 minutos, a reposição volêmica deverá iniciar-se no local do acidente, mas devendo aceitar-se a manutenção de certo grau de hipotensão arterial, o que é chamado de hipotensão permissiva, para que não ocorram perdas sanguíneas ocasionadas por reposição muito vigorosa. (0,045 p)
Reposição plena somente deverá ocorrer quando estiver garantida a cessação da perda sanguínea. (0,045 p)
A avaliação da reposição é realizada pela observação do comportamento dos sinais vitais, volume urinário e perfusão tecidual. (0,045 p)
Nos sangramentos importantes e sobretudo em idosos e portadores de comorbidades, é necessária a monitorização de parâmetros hemodinâmicos, tais como a pressão venosa central e a pressão capilar pulmonar. (0,045 p)

FONTE:
REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA DE MEDICO 2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO - CUIABÁ

AVALIE ESSA QUESTÃO: (3.04)

CASO CLINICO: (92283 votos)..........100% dos casos clinicos receberam votos.
Mãe traz criança de 8 anos relatando que 'acha que foi picado por abelha', relatando que a mesma estava brincando com alguns amigos e subiram numa cerca para pegar romãs do arvore da casa vizinha quando, de repente sentiu 'uma ferroada' que deixou uma dor muito forte e também diz que daí tem inchaço no antebraço direito. Nega ter visto algum 'bicho' depois da picada. Nega alergias conhecidas. Você examina com bastante dificuldade a criança, que está pálida, com agitação moderada e sudorese intensa e constata que realmente, no antebraço direito ha duas feridas puntiformes, edema visivel, eritema e sudorese. A criança declara que sente dor 'muito' até o ombro e está chorando bastante e não deixa fácil mobilizar o segmento dolorido. Durante a consulta, apresenta um episodio de vômito. Tempo de enchimento capilar é de 2 segundos, frequência cardiaca 144/minuto e PA 140/100 mm Hg. Além dos relatados e confirmados, o resto do exame clinico está normal.

1) Considerando a clinica do caso qual é a principal suspeita? (0,1 pontos)
2) Qual é a gravidade do acidente? (0,1 pontos)
3) Como você vai atender esse caso e quais as medidas cabíveis conforme o protocolo? (0,3 pontos)


RATING: 2.97

1) Considerando a clinica do caso qual é a principal suspeita?

Acidente com Phoneutria (aranha armadeira) 0,1 pontos

Discussão: Vamos lá: primeiro - o animal não foi avistado. Escorpião não vive nos arvores e nem a jararaca, nem o crótalo (pelo menos não é comum). Se fosse abelha, vespão, marimbondo, muito provavelmente teria sido vista na hora do acidente, e também, não faz sentido a existência das duas feridas puntiformes (a abelha não deixa esse tipo de lesão). A segunda hipótese seria acidente com lagarta (taturana), no entanto, no acidente lonômico a lesão não é puntiforme e geralmente se acompanha de hemorragia ou petéquias. A criança não apresenta isso. Outra hipotese seria acidente com aranha. Aranha marrom geralmente vive nos ambientes domesticos e não é agressiva (a picada é acidental, como acidental é de Latrodectus, a 'viuva-negra'). Nos arvores e nos pomares frequentemente vive a aranha-armadeira (Phoneutria) que é agressiva, muito venenosa e pode ser vista entre os galhos de alguns arvores. Essa é a causa mais provável, considerando também a dor imediata (observada em mais de 90% dos casos), insuportável (dor excruciante), irradiando-se até a raiz do membro acometido, assim como as manifestações locais: edema não endurado, eritema, sudorese local, parestesia e a marca dos dois pontos de inoculação.

2) Qual é a gravidade do acidente?

Gravidade moderada. (0,1 pontos)

DISCUSSÂO:

Acidentes moderados: ocorrem em aproximadamente 7,5% do total de acidentes por Phoneutria. Associadas às manifestações locais, aparecem alterações sistêmicas, como

  • taquicardia,
  • hipertensão arterial,
  • sudorese discreta,
  • agitação psicomotora,
  • visão “turva'
  • vômitos ocasionais

3) Como você vai atender essa criança? (0,3 pontos)

Manejo da dor:

  • Infiltração anestésica. (0,0375 pontos) : lidocaína a 2% sem vasoconstritor. (0,0375 pontos) . A dose preconizada para crianças é de 0,5-1 ml. (0,0375 pontos) podendo ser repetida caso a dor não melhore. (0,0375 pontos) .
  • Analgesia: paracetamol. (0,0375 pontos) (crianças, 10/mg/kg/dose/ a cada 4 a 6 horas. (0,0375 pontos) ) ou dipirona. (0,0375 pontos) (crianças, 10 mg/kg/dose/6-6 horas. (0,0375 pontos)).

Observação - caso o quadro virar para grave, internar e tratar conforme o protocolo.

DISCUSSÂO:

A soroterapia antiveneno, com soro antiaracnídico (SAA), está indicada em todos os casos graves, aliada a medidas de suporte vital, bem como em crianças (geralmente menores que 7 anos) com quadro moderado. A criança não se encaixa nesta categoria.

AVALIE ESSE CASO CLINICO: (2.97)

 

1254 USUARIOS INSCRITOS

254 PROVAS FEITAS POR ASSINANTES

721 RECADOS DOS VISITANTES

NOSSO BANCO DE PROVAS TEM:
7375 QUESTÕES OBJETIVAS, PRECISAMENTE:

1782 DE CLINICA, 3423 DE PEDIATRIA, 1300 DE CIRURGIA, 232 DE OBSTETRICA-GINECOLOGIA, 387 DE SAUDE PUBLICA
115 QUESTÕES DISSERTATIVAS E 140 CASOS CLINICOS

Todos os direitos reservados. 2020.
O site misodor.com está online desde 04 de novembro de 2008
O nome, o logo e o site misodor são propriedade declarada do webmaster
Qualquer conteudo deste site pode ser integralmente ou parcialmente reproduzido, com a condição da menção da fonte.