"HALL OF FAME" - CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO GERAL AQUI:

NÃO SOU CADASTRADO                                                         NÃO LEMBRO A SENHA/USUÁRIO
usuario: senha:

OBJETIVA: (340371 votos)..........94.78% das questões objetivas receberam votos.
O teste cutâneo para Cândida:
A. é o exame da função das células B
B. apresenta uma excelente razão custo/benefício
C. a negatividade do teste indica sem duvida a baixa imunidade
D. teste positivo significa função adequada dos linfócitos B
E. utiliza-se uma diluição de 1:16.000

  RATING: 3.03

O teste cutâneo para Cândida:

A. é o exame da função das células B
INCORRETO: O teste cutâneo para Cândida é o exame da função das células T
B. apresenta uma excelente razão custo/benefício
CORRETO : O teste cutâneo para Cândida é o exame da função das células T de melhor razão custo/benefício.
C. a negatividade do teste indica sem duvida a baixa imunidade
INCORRETO : Se o resultado do teste for negativo após 24, 48 e 72 h, deve-se testar uma diluição 1:100.
D. teste positivo significa função adequada dos linfócitos B
INCORRETO : Se o teste for positivo. definido por eritema e induração igual ou superior a 10 mm após 48 h, praticamente todas as deficiências primárias de células T estão excluídas
E. utiliza-se uma diluição de 1:16.000
INCORRETO : Os adultos e as crianças maiores de 6 anos devem ser testados por via intra-dérmica com 0,1 ml numa diluição de 1:1.000 de um extraio potente conhecido de Cândida albicans.

Gabarito:  B

AVALIE ESSA QUESTÃO: (3.03)
DISCURSIVA: (79982 votos) ..........99.07% das questões discursivas receberam votos.
1) Enumeram as principais anormalidades de parede toracica (0,35 pontos)

2) Descrevam a conformação normal e as relações normais com o esterno e a coluna vertebral para os 12 pares de costelas. (0,15 pontos)

RATING: 3

1) Enumeram as principais anormalidades de parede toracica (0,35 pontos)

2) Descrevam a conformação normal e as relações normais com o esterno e a coluna vertebral para os 12 pares de costelas. (0,15 pontos)

1) Segue a tabela:

Anormalidades da Parede Torácica
Deformidades de depressão/pectus excavatum (0,05 p)
Deformidades de protrusão/pectus carinatum (0,05 p)
Sindrome de Poland (0,05 p)
Defeitos esternais
  • Ectopia cordis cervical (0,05 p)
  • Ectopia cordis torácica (0,05 p)
  • Ectopia cordis toracoabdominal (0,05 p)
  • Esterno bífido (0,05 p)
2) As costelas e o esterno determinam o tamanho e o formato da cavidade torácica.

  1. As sete costelas superiores (numeradas de 1 a 7) são costelas verdadeiras, pois se articulam diretamente com o esterno por meio de cartilagens. (0,05 p)
  2. As cinco costelas inferiores (numeradas de 8 a 12) são falsas costelas; elas não se conectam diretamente com o esterno, anteriormente; na maioria dos casos, conectam-se com a cartilagem costal acima delas. (0,05 p)
  3. As costelas 11 e 12 são costelas flutuantes. Elas podem ser pequenas ou grandes; articulam-se apenas com a coluna torácica. (0,05 p)

FONTE:
http://www.misodor.com/PAREDETORACICAEPLEURA.html

AVALIE ESSA QUESTÃO: (3)

CASO CLINICO: (84068 votos)..........100% dos casos clinicos receberam votos.
A. M,, 42 anos, empregada de fazenda, fumante, gravida de 23 semanas, relata que 3 dias atras, durante uma atividade domestica, sentiu, de repente 'um liquido quente banhando as coxas'. Aprecia a quantidade do liquido como 'uma xícara ou duas', levemente roseado. Achando que 'urinou sem querer', não deu importância ao incidente e somente trocou de calcinha, continuando a atividade. Hoje, no dia da consulta, achou de novo a lingerie manchada de liquido, e relata que a noite passada teve um curto episodio de calafrio, o que a fez procurar auxilio medico, Ao exame físico, apresenta-se pálida, com leve agitação. Temperatura axilar medida no momento da consulta 38,4 graus C, TA 110/80 mm Hg, FC 100/bpm. Sem sinais respiratórios ou cardiovasculares. Nega ter conhecimento de alguma doença cronica, nega uso de qualquer remédio. Fuma 10-12 cigarros por dia, ocasionalmente toma 1-2 copos de cerveja. Já teve 3 partos normais, e um aborto espontâneo, útero sensível a apalpação. Não apresenta nenhum outro foco de infecção visível.
1) Qual é o diagnóstico mais provável. (0,1 pontos)
2) Indiquem pelo menos 3 complicações maternas da amniorrexe (0,15 pontos)
3) Em quais condições é útil o toque vaginal neste caso? (0,05 pontos)
4) Qual é o plano terapêutico no caso acima?(0,25 pontos)


RATING: 2.9

1) Qual é o diagnóstico mais provável.
a. Amniorrexe prematura (0.05 p) b. Chorioamniotite (0.05 p)
2) Indiquem pelo menos 3 complicações maternas da amniorrexe
ATENÇÃO A PEGADINHA ! O requirimento e: 'complicações maternas' e não 'fetais'.
- Chorioamniotite (0.05 p)
- Infecção puerperal (endometrite) (0.05 p)
- Oligoidramnio (0.05 p)
3) Em quais condições é útil o toque vaginal neste caso?
EM NENHUMA ! Outra pegadinha... Normalmente, o toque vaginal e PROIBIDO em caso de suspeita de amniorrexe prematura, EXCETO quando existe expectativa de parto nas próximas 24 horas. Mas NESTE CASO a gravidez de 23 semanas e bem longe de tal eventualidade, então a resposta correta e 'o toque vaginal e proibido e, neste caso, não existe nenhuma condição que justificaria a fazer um tal exame'. (0.05 p)
4) Qual é o plano terapêutico no caso acima?
Conduta ativa: A única solução e a interrupção da gravidez. Ela vai acontecer em 7 dias. Resolução imediata da gestação se trabalho de parto ou presença de infecção (0.05 p).
Esquemas antibióticos :
Ampicilina 2 g EV 6/6 h + Gentamicina 1,5 mg/Kg 8/8 h ou em dose única diária. Se parto vaginal manter este esquema até que a paciente se mantenha afebril ou assintomática por 48 h, não sendo necessária a manutenção de esquema ambulatorial por via oral. (0.05 p)
Caso haja indicação de parto abdominal indica-se adicionar droga contra anaeróbios como Metronidazol 500 mg 8/8 h ou Clindamicina 900 mg 8/8 h, após clampeamento do cordão. (0.05 p) Particularidades: paciente com infecção estafilocócica requer terapia EV por período prolongado e subsequentemente curso de terapia oral. (0.05 p)
DISCUSSÃO:
O feto não vai ser viável, porque os pulmões são imaturos
. Justificação: a presença da CORIOAMNIOTITE
- Resulta de disseminação hematogênica ou infecção ascendente.
- Incidência mais comum nos casos de ruptura precoce de membranas ovulares, cerca de 15 a 25%. Já nos casos de RPM prolongada, ou seja, com período maior que 24 h, a incidência é de 3 a 15%.
Principais patógenos: Bacteroides, E. coli, estreptococos anaeróbios, estreptococos do grupo B.
- Indicação absoluta de interrupção da gestação. Se possível via vaginal.
RPM em gestações muito precoces, principalmente se menor que 24 semanas, a sobrevida é limitada e a morbimortalidade neonatal está aumentada.

AVALIE ESSE CASO CLINICO: (2.9)

 

1131 USUARIOS INSCRITOS

225 PROVAS FEITAS POR ASSINANTES

721 RECADOS DOS VISITANTES

NOSSO BANCO DE PROVAS TEM:
6603 QUESTÕES OBJETIVAS, PRECISAMENTE:

1529 DE CLINICA, 2964 DE PEDIATRIA, 1272 DE CIRURGIA, 219 DE OBSTETRICA-GINECOLOGIA, 368 DE SAUDE PUBLICA
107 QUESTÕES DISSERTATIVAS E 139 CASOS CLINICOS

Todos os direitos reservados. 2020.
O site misodor.com está online desde 04 de novembro de 2008
O nome, o logo e o site misodor são propriedade declarada do webmaster
Qualquer conteudo deste site pode ser integralmente ou parcialmente reproduzido, com a condição da menção da fonte.