"HALL OF FAME" - CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO GERAL AQUI:

NÃO SOU CADASTRADO                                                         NÃO LEMBRO A SENHA/USUÁRIO
usuario: senha:

OBJETIVA: (339385 votos)..........94.94% das questões objetivas receberam votos.
Sobre o uso de surfactante no recém-nascido é CORRETO afirmar que:
A. mesmo em caso de doença de membrana hialina diagnosticada o tratamento com surfactante pode ser considerado, ás vezes, como uma opção alternativa
B. acima de 37-38 semanas o uso do surfactante é desnecessário e ás vezes até prejudicativo
C. os prematuros abaixo de 26 semanas precisam receber todos, obrigatoriamente, tratamento com surfactante
D. a via de administração é endovenosa ou intraóssea, em dose de 200 mg/kg, bolus, seguido de tratamento de manutenção em doses subsequentes de 100 mg/kg
E. o uso profilático tem que ser iniciado antes da primeira respiração do recém nascido prematuro, pois a eficácia abaixa se a criança já respirou

  RATING: 3.07

Sobre o uso de surfactante no recém-nascido é CORRETO afirmar que:

A. mesmo em caso de doença de membrana hialina diagnosticada o tratamento com surfactante pode ser considerado, ás vezes, como uma opção alternativa
INCORRETO: Na presença do diagnóstico de doença da membrana hialina ou SDR, não há nenhuma dúvida sobre a indicação do uso da terapia com surfactante.
B. acima de 37-38 semanas o uso do surfactante é desnecessário e ás vezes até prejudicativo
INCORRETO : É importante lembrar que a SDR também ocorre em recém-nascidos com mais de 37 ou 38 semanas e, portanto, o fato de um paciente ser a termo não exclui, de forma alguma, este diagnóstico.
C. os prematuros abaixo de 26 semanas precisam receber todos, obrigatoriamente, tratamento com surfactante
CORRETO : RN com IG < 26 semanas – todos; RN com IG 26-30 semanas – administrar aos que não tenham realizado indução maturativa fetal ou que necessitem de entubação traqueal para reanimação/estabilização.
D. a via de administração é endovenosa ou intraóssea, em dose de 200 mg/kg, bolus, seguido de tratamento de manutenção em doses subsequentes de 100 mg/kg
INCORRETO : A administração do surfactante é sempre endotraqueal, e não endovenoso
E. o uso profilático tem que ser iniciado antes da primeira respiração do recém nascido prematuro, pois a eficácia abaixa se a criança já respirou
INCORRETO : A profilaxia tem sido utilizada imediatamente após o nascimento, antes da primeira ventilação ou após estabilização inicial, já com alguns minutos de vida.

Se o objetivo é prevenir a lesão provocada pela deficiência de surfactante nos recém-nascidos com imaturidade pulmonar, o ideal seria administrarmos a medicação mesmo antes da primeira inspiração. Entretanto, tem sido sugerido que a profilaxia imediata não apresenta benefício visível em relação à profilaxia dentro de um período de 30 minutos do nascimento.

O uso imediato do surfactante, antes da primeira inspiração pode prejudicar a estabilização inicial do paciente.

Gabarito:  C

AVALIE ESSA QUESTÃO: (3.07)
DISCURSIVA: (79864 votos) ..........99.06% das questões discursivas receberam votos.
Cite 10 (dez) critérios de inoperabilidade para o câncer de pulmão (0,05 cada um).

RATING: 2.99

Cite 10 (dez) critérios de inoperabilidade para o câncer de pulmão (0,05 cada um).

01

Derrame pleural neoplásico

02

Mestastases à distância

03

Paralisia do nervo laríngeo recurrente esquerdo

04

Infiltração vertebral que ultrapassa o forame costotransverso

05

Infiltração da parede da aorta alem da camada adventícia

06

Infiltração extensa e além da camada muscular do esôfago

07

Infiltração extensa da veia cava superior

08

Infiltração do coração, geralmente do átrio esquerdo

09

Infiltração mediastinal maciça, geralmente por invasão da cápsula dos linfonodos

10

Infiltração da carina e dos brônquios principais bilateral e simultaneamente

FONTE:
PROVA DE REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA DE MEDICO GRADUADO NO EXTERIOR UMFT – 2006

AVALIE ESSA QUESTÃO: (2.99)

CASO CLINICO: (83953 votos)..........100% dos casos clinicos receberam votos.
Um menino afro-americano de 16 meses de idade chega ao pronto-socorro com um histórico de 3 dias de febre e tosse. O menino estava bem até 3 dias atrás quando sua mãe relata que e!e começou a tossir e estava 'quente ao toque'. Sua temperatura era de 38,5°C. A mãe deu acetaminofeno ao menino e o colocou para dormir. Ele não tem sentido fome nos últimos dois dias, porém continua a ingerir uma quantidade adequada de liquidos. Apesar dos antipiréticos, sua febre persistiu e está agora a 39°C. Não houve outros sintomas, contato com doentes ou histórico de viagens.

No exame físico, a criança apresenta uma aparência tóxica porém está bem hidratada. A frequência cardíaca é de 140, frequência respiratória de 52, e a saturação de oxigênio em ar ambiente é de 82%. No exame, o único achado significativo de sons respiratórios notoriamente reduzidos sobre o hemitorax direito. Não há adenopatia ou hepatoesplenomegalia.

Uma radiografia torácica revela um herrtitórax direito: pacificado com leve desvio do mediastino para o lado esquerdo. A hemograma exibe uma contagem leucocitária de 28.000/mm3 com muitas bandas. O

1) Qual é a primeira medida terapêutica a ser instituida no atendimento? (0,1 p)

2) Qual é o proximo procedimento diagnóstico indicado? (0,1 p)

3) Se o aspirado pleural do hemitorax direito indicar empiema, qual vai ser a intervenção apropriada? (0,1 p)

4) Neste caso, qual é a comorbidade que mais necessita ser considerada e investigada? (0,1 p)

5) Qual é o regime antibiotico eletivo para o tratamento desta criança? (0,1 p)


RATING: 2.97

1) Este caso representa um exemplo de pneumonia bacteriana com uma efusão pleural associada. No pronto-socorro, a intervenção mais apropriada é atenção às vias aéreas, adequação do esforço respiratório e circulação. A criança está dessaturando em ar ambiente e deveria receber oxigênio suplementar. Após estabilização do paciente com oxigênio e aquisição de uma Rx torácico, uma linha IV deveria ser colocada, e antibióticos apropriados fornecidos. Idealmente, uma ultrassonografia com aspiração do líquido pleural deveria ser realizada na criança estável antes da administração dos antibióticos.(0,1 p)
2) Embora uma radiografia em decúbito possa ser obtida, uma ultrassonografia do hemitórax direito e aspiração do fluido para fins diagnósticos deveriam idealmente preceder a administração de antibióticos. No entanto, se houver uma rápida deterioração da condição clínica da criança, a estabilização da condição e administração de antibióticos apropriados antes da toracocentese deveriam proceder imediatamente. (0,1 p)
3) Para a criança com uma grande efusão parapneumônica ou um empiema acompanhado por desvio do mediastino» o tratamento inclui a drenagem do líquido. Se um empiema é definido pela química ou a presença de organismos, recomenda-se a realização de uma tocacoscopia video-assistida (VAT) e decorticação na fase inicial da doença; estes procedimentos podem encurtar o tempo de internação. Quando a VAT não pode ser realizada, outra estratégia de tratamento de uma efusão parapneumônica complicada é a instilação de fibrinolíticos no espaço pleural. (0,1 p)
4) A síndrome aguda do tórax ou pneumonia associada à efusão pleural pode ser a primeira apresentação para uma criança afro-americana com doença falciforme. Seria importante obter um histórico para doença falciforme e confirmar o tipo de hemoglobina da criança pelo teste Sickledex ou eletroforese de hemoglobina. Imunodeficiências congênitas e adquiridas tendem a se manifestar antes dos 16 meses de idade, porém também deveriam ser consideradas.(0,1 p)
5) Para este paciente em particular, uma seleção de antibióticos apropriados deveria incluir antibióticos com ação contra o S. aureus e o S. pneumoniae, assim como contra patógenos Gram-negativos menos prováveis. S.aureus resistentes à meticilina adquiridos na comunidade (CA-MRSA) podem manifestar-se com uma pneumonia necrosante profunda e rapidamente progressiva, portanto consideração deveria ser dada a um antibiótico IV direcionado contra o MRSA. Por essa razão, a escolha inicial de antibióticos, mais adequada nesta criança, seria ceftriaxona e vancomicina. (0,1 p)

AVALIE ESSE CASO CLINICO: (2.97)

 

1128 USUARIOS INSCRITOS

225 PROVAS FEITAS POR ASSINANTES

721 RECADOS DOS VISITANTES

NOSSO BANCO DE PROVAS TEM:
6586 QUESTÕES OBJETIVAS, PRECISAMENTE:

1529 DE CLINICA, 2947 DE PEDIATRIA, 1272 DE CIRURGIA, 219 DE OBSTETRICA-GINECOLOGIA, 368 DE SAUDE PUBLICA
106 QUESTÕES DISSERTATIVAS E 139 CASOS CLINICOS

Todos os direitos reservados. 2020.
O site misodor.com está online desde 04 de novembro de 2008
O nome, o logo e o site misodor são propriedade declarada do webmaster
Qualquer conteudo deste site pode ser integralmente ou parcialmente reproduzido, com a condição da menção da fonte.