MONITOR DE QUESTÕES

VERIFIQUE RAPIDO SEUS CONHECIMENTOS!

 

VOLTAR

SAIR

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5425. Aumenta a mortalidade por sepse, EXCETO:

A. o atraso no início do antibiótico adequado
B. o controle inadequado do sítio de infecção
C. a não remoção dos dispositivos infectados
D. o atraso em entubar o paciente
E. o surgimento da hipotensão

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5424. O kit sepse (pacote de exames de primeira hora) deve ser identificado como parte do protocolo de sepse de forma a garantir atendimento diferenciado pelo laboratório. O objetivo principal é obter:

A. hemograma, em máximo 15 minutos
B. lactato em menos que 30 minutos
C. gasometria arterial em máximo 30 minutos
D. a coagulograma em máximo 60 minutos
E. as hemoculturas em menos de 24 horas

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5423. Como parte da estratégia aplicada na sepse pediátrica o pacote de reconhecimento presume para todas as crianças com suspeita de sepse grave a avaliação clínica em máximo:

A. 60 minutos
B. 40 minutos
C. 30 minutos
D. 20 minutos
E. 15 minutos

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5422. Sobre o valor da pressão arterial no paciente pediátrico com choque séptico é CORRETO afirmar que:

A. a hipotensão é considerada um sinal precoce de choque
B. a pressão arterial sofre modificações rápidas em caso de sofrimento orgânico
C. para o diagnóstico de choque séptico a hipotensão é critério primário
D. a ocorrência da hipotensão é confirmatória para choque
E. o choque séptico raramente pode ser diagnosticado antes da ocorrência de hipotensão.

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5421. B. L. 4 anos de idade, diagnosticado com pneumonia 3 dias atrás e tratado com Amoxicilina da entrada no hospital com mau estado geral, febre 38,7 ºC, saturação 89%, tiragem costal e tosse com dispneia. Na admissão, PA = 70/40 mmHg, FC 140/minuto, tempo de enchimento capilar 3 segundos. Rx de tórax abaixo:

Foram colhidos exames na urgência, com as seguintes resultados: hemograma com leucocitose 24.500/mm3, bastões 18/mm3, trombócitos 54.000/mm3, bilirrubina total 6 mg/100 ml, ALT = 60, TGP = 23, creatinina 6 mg/100 ml, pH 7,36 e lactato 36 mg/100 ml. Urina normal.
Considerando o caso abaixo, avalie as afirmações á seguir:
(I) a criança apresenta critérios de sepse grave;
(II) o Rx de tórax não é critério de diagnostico de sepse
(III) o baixo nível de plaquetas é critério de gravidade neste quadro clinico
(IV) a criança apresenta disfunção orgânica renal mas não tem disfunção hepática
São VERDADEIRAS:

A. Apenas a afirmação I
B. Apenas as afirmações II e IV
C. Apenas as afirmações I e III
D. Apenas as afirmações II e III
E. Todas as afirmações são falsas

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5420. São critérios para definir a disfunção respiratória em caso de sepse pediátrico grave, EXCETO:

A. A saturação periférica de oxigênio
B. O nivel de PaCO2
C. Relação PaO2 /FiO2
D. Necessidade de FiO2 para manter SatO2≥ 92%
E. Necessidade de ventilação não invasiva (VNI) ou ventilação mecânica (VM).

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5419. Quais das condições abaixo indica disfunção orgânica em pediatria:

A. pressão arterial sistólica (PAS) < percentil 25 para idade
B. necessidade de dopamina 3 μg/kg/min para estabilizar a PA
C. tempo enchimento capilar (TEC) de 3 segundos e lactato acima de 2 vezes o valor de referência.
D. oligúria (débito urinário < 1,0 mL/kg/h) e acidose (exceto em caso de excesso de base)
E. diferença entre a temperatura central e a periférica > 1°C

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5418. Sabe-se que, para fins práticos qualquer disfunção orgânica associada a infecção suspeita ou confirmada caracterizará sepse grave. A modalidade de comprovar a disfunção cardiovascular é feita através de:

A. traçados arrítmicos no exame eletrocardiográfico e ecocardiografia com modificações estruturais
B. falta de resposta ao uso de medicação inotrópica cardiotônica
C. falta de resposta á oxigenioterapia 100% (pulsoximetria com saturação periférica abaixo de 94%)
D. acidose metabólica inexplicável: déficit de bases > 5,0 mEq/L e lactato acima de 2 vezes o valor de referência. depois da alcalinização com bicarbonato
E. persistência de parâmetros vitais ruins ao infundir mais de 40 mL/kg isotônico administrado em uma hora

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5417. Sepse grave pediátrico é definido como:

A. complicação generalizada dum processo infeccioso agudo ou cronico
B. qualquer disfunção orgânica associada a infecção suspeita ou confirmada
C. infecção com hipoperfusão não responsiva à volume
D. qualquer sinal de deterioração dos parâmetros clínicos que sugira infecção grave
E. qualquer infecção bacteriana, viral ou fungica que causou hipotensão arterial severa (PAS < 2 desvios padrão abaixo do normal para a idade)

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5416. LTR, sexo feminino, 18 dias de vida, com história de febre, gemência e vômitos há 1 dia. Há 3 dias diminuição da aceitação alimentar. Mãe com 17 anos, sem patologias, primigesta, gestação de termo, bolsa rota 5 h antes do parto, parto fórceps, peso ao nascimento de 2630 g, chorou logo ao nascer. Recebeu alta do berçário com 48 h de vida. Alimentação: leite materno. Exame físico: peso 2680 g, frequência cardíaca 60 batimentos/min, frequência respiratória 68 movimentos/min, temperatura axilar 39,3 ºC, perímetro cefálico 33 cm. Regular estado geral, gemente, hipoativa. Fontanela bregmática 4 x 3 cm, discretamente abaulada, pupilas isocóricas, foto-reagentes, estrabismo divergente em olho esquerdo (E). Orofaringe sem alterações, obstrução nasal, pulmões com murmúrio vesicular presente bilateralmente, sem ruídos adventícios. Sistema cardio-circulatório: bulhas rítmicas, sem sopros. Abdome globoso, hiperemia de cicatriz umbilical, fígado a 1,5 cm da reborda costal, baço não palpável. Exame neurológico: tremores de extremidades, reflexos arcaicos presentes. Exames complementares - Hemograma: hemoglobina 11,6 g/dl, hematócrito 33%, 7600 leucócitos/mm3 (1% bastonetes, 78% segmentados, 14% linfócitos, 2% linfócitos atípicos), plaquetas 346000/mm3 . Glicemia 72 mg/dl.
Sobre esse caso é CORRETA a afirmação:

A. Trata-se de um caso de sepse neo-natal tardia
B. Neste caso, a cultura de liquor deve ser recomendada com cautela
C. Streptococcus pyogenes não é uma cepa comum nessa faixa etária
D. A infecção não pode ser catalogada como hospitalar, pois os sintomas teriam aparecido já no berçário
E. Todas as afirmações são falsas

QUESTÕES DOS COLABORADORES

Conteudo programatico:  CANCER DE OVARIO

AUTOR:           GUILLERMO

5046: PACIENTE DE 52 ANOS FOI DIAGNOSTICADA DE CARCINOMA DE OVARIO SEROSO , INOPERAVEL PELA EXTENÇÃO ABDOMINAL MACIÇA. 
A CONDUTA MAIS ADEQÜADA É:  
                                            A) CUIDADOS PALIATIVOS
                                            B) RADIOTERAPIA ABDOMINAL
                                            C) QUIMIOTERAPIA
                                            D) PROGESTÁGENOS
                                            E) ANTIESTRÓGENOS 

Conteudo programatico:  HANSENIASE

AUTOR:           DANIEL

5044:

Paciente do sexo masculino, 43 anos, apresenta quadro de infiltrações nas orelhas externas, madarose, ressecamento da pele e dos membros, dor articular, espessamento no nervo ulnar  e astenia. Mitsuda negativo. A classificação e a forma de tratamento desse hanseníase estão corretamente associadas na seguinte opção de resposta:

a) poliquimioterapia multibacilar ------- forma virchowiana.
b) poliquimioterapia paucibacilar ------- forma dimorfa.
c) poliquimioterapia paucibacilar ------- forma virchowiana.
d) poliquimioterapia multibacilar ------- forma dimorfa.
e) poliquimioterapia multibacilar ------- forma tuberculoide.

Conteudo programatico:  HANSENIASE

AUTOR:           DANIEL

5043:

Paciente do sexo masculino apresenta lesões de pele sugestivas de hanseníase multibacilar (MB). Em nenhum dos comunicantes intradomiciliares foi diagnosticada hanseníase. A alternativa que melhor corresponde à medida profilática adequada para os comunicantes é:

a) observação dos comunicantes, sem nenhuma medida adicional.
b) quimioprofilaxia com rifampicina por dois dias.
c) quimioprofilaxia com dapsona por 6 meses.
d) vacinação com BCG para os comunicantes menores de 5 anos.
e) vacinação com BCG para todos os comunicantes.

Conteudo programatico:  HANSENIASE

AUTOR:           DANIEL

5042:

Você recebe em seu consultório uma mulher de 30 anos, residente em Fortaleza-CE, no 4° mês de tratamento de Hanseníase Virchowiana, que desenvolveu nódulos eritematosos, dolorosos no tronco, face e membros superiores há 3 dias. A melhor conduta é:

a) suspender o tratamento, pois trata-se de reação alérgica à clofazimina.
b) suspender apenas a dapsona e iniciar terapia com anti-histamínicos.
c) suspender o tratamento e inicar terapia com talidomida, de 100 a 400 mg/dia, até a resolução do quadro e, então, reiniciar o tratamento específico.
d) manter o tratamento e iniciar predinosa, de 1 a 2 mg/kg/dia.
e) manter o tramento e iniciar terapia com talidomida nas doses recomendadas.

Conteudo programatico:  HANSENIASE

AUTOR:           DANIEL

5041:

Considere o seguinte quadro:
Paciente, apresenta lesões eritemato-infiltradas, anestésicas, duas em face e três no tronco. O teste de Mitsuda foi positivo 28 dias após a injeção intradérmica. Clinicamente, considerou-se o diagnóstico de Hanseníase.
Em relação a esse caso, assinale a alternativa INCORRETA:

a) A forma tuberculóide apresenta placas bem delimitadas com raros bacilos.
b) As formas boderline/dimorfa apresentam distribuição assimétrica das lesões cutâneas e dos nervos envolvidos.
c) A forma virchowiana/lepromatosa acomete difusamente a pele, tendo se infiltrado com histiócitos espumosos ricos em bacilos.
d) Pacientes paucibacilares são geralmente Mitsuda positivos.
e) Eritema Nodoso Hansênico é uma reação comum aos paciente de hanseníase quando iniciam o tratamento, independente da sua forma clínica. 

Conteudo programatico:  A. I. D. S.

AUTOR:           DANIEL

5040: O uso profilático de AZT injetável no pré-parto, segundo ACTG 076, reduz a transmissão vertical em:

a) 10%
b) 17%
c) 25%
d) 67%
e) 85%

Conteudo programatico:  A. I. D. S.

AUTOR:           DANIEL

5039: Em relação à transmissão vertical do HIV, é correto afirmar:

a) A cesariana eletiva reduz pela metade a transmissão vertical do HIV, quando comparada com a cesariana realizada depois do inicio do trabalho de parto.
b) O aleitamento materno não é contra-indicado se a contagem de linfócitos T-CD4 for maior que 500 células/mm3.
c) Com carga viral abaixo de 10.000 cópias/ml, a via de parto será indicada por critérios obstétricos.
d) O uso de zidovudina intravenosa deve ser iniciado uma hora antes do parto.
e) A episiotomia não tem relação com o risco de transmissão vertical do HIV.

Conteudo programatico:  A. I. D. S.

AUTOR:           DANIEL

5038: Gestante, 26 anos de idade, G2P0A1, 34 semanas de idade gestacional, foi encaminhada da Unidade Básica de Saúde com diagnóstico comprovado de infecção com o Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), assintomática.
Sobre a utilização de anti-retrovirais para esta paciente, qual a alternativa CORRETA:

a) aguardar o resultado da carga viral para definir qual esquema anti-retroviral será utilizado.
b) Iniciar com inibidores da transcriptase reversa (zidovudina + lamivudina) e inibidor de protease (nelfinavir).
c) Iniciar com inibidores da transcriptase reversa ( zidovudina + efavirenz) e inibidor de protease (nelfinavir).
d) Iniciar com zidovudina e aguardar o resultado da carga viral para ajuste da dose.
e) Nenhum anti-retroviral, pois devemos interromper imediatamente a gravidez para diminuir o risco de transmissão vertical do HIV.

Conteudo programatico:  A. I. D. S.

AUTOR:           DANIEL

5037: Gestante no curso da 10a semana apresenta quadro clínico de AIDS com tuberculose pulmonar. A contagem de linfócitos T-CD4 é de 400 células/ml e se pretende usar a rifampicina para o tratamento da tuberculose. A melhor opção para o tratamento da AIDS, neste caso, é:

a) Monoterapia de imediato com zidovudina (AZT).
b) Terapia dupla (zidovudina + lamivudina).
c) Terapia tripla (zidovudina + lamivudina + nelfinavir).
d) Terapia tripla (zidovudina + lamivudina + abacavir).
e) Terapia tripla (zidovudina + lamivudina + hidroxiuréia).

Conteudo programatico:  A. I. D. S.

AUTOR:           DANIEL

5036: Em relação ao manejo de paciente gestante HIV positivo, são recomendações do Ministério da Saúde, EXCETO:

a) O uso de profilaxia com anti-retrovirais deve ser iniciado a partir da 14a semana de gestação e continuar durante o trabalho de parto e parto até o clampeamento do cordão.
b) Em relação aos critérios de escolha da via de parto, recomenda-se o parto por operação cesariana eletiva se a paciente apresentar carga viral inferior a 1.000 cópias/ml ou indetectável ou estiver com idade gestacional maior ou igual a 34 semanas.
c) No parto vaginal, a episiotomia deve ser evitada sempre que possível e deve-se manter a bolsa íntegra até o período expulsivo.
d) Não há necessidade de se isolar a mulher HIV positivo.
e) Realizar o clampeamento do cordão imediatamente após a saída do recém-nascido.

 

VOLTAR
SAIR