Ações terapêuticas.

Antianêmico.

Propriedades.

O preparado é usado como fonte de ferro. Deve conhecer-se a quantidade total de ferro em cada preparação e não sua massa total. A maior vantagem do uso parenteral de ferro é possibilidade de formar rapidamente reservas do elemento as quais, por via oral, levariam meses para serem alcançadas (por exemplo, em pacientes que receberão eritropoietina).

Indicações.

Tratamento da anemia por deficiência de ferro.

Posologia.

Via parenteral: pacientes com mais de 50kg de peso, 100mg/dia, por via IV lenta ou IM profunda; a dose máxima por via IV é de 100mg. A resposta à terapêutica com ferro é avaliada através do índice de produção de reticulócitos e da elevação da hemoglobina ou do hematócrito. Não se deve tomar decisão a respeito da eficácia do tratamento antes de decorridas 3 a 4 semanas.

Reações adversas.

Após a injeção intramuscular podem ocorrer sensações de incômodo prolongado no local da injeção, descoloração da pele e alterações malignas no sítio de injeção. A superdose do ferro é particularmente grave em crianças, já que requer atenção imediata se a ingestão ultrapassou os 30mg/kg. O tratamento é feito com deferoxamina. Em alguns casos apresentaram-se artralgia, reações alérgicas sistêmicas (anafilaxia), abscessos, colapso vascular, flebite.

Precauções.

Deve ter-se especial cuidado com pacientes que possam desenvolver uma sobrecarga de ferro, como por exemplo aqueles com hemocromatose, anemia hemolítica ou aplasia eritrocitária. Caso não haja resposta adequada ao tratamento, devem investigar-se outras causas de anemia. Não é conveniente usar ferro durante o primeiro trimestre da gravidez.

Contra-indicações.

Hipersensibilidade ao ferro. Pacientes com sobrecarga de ferro. hipersensibilidade à dextrana. Cefalalgia, febre, dor precordial. Disfunção hepática. Artrite reumatóide.