Ações terapêuticas.

Hipocolesterolêmico.

Propriedades.

Trata-se de uma estatina (lovastatina, simvastatina, fluvastatina, pravastatina, cerivastatina) que atua como inibidor competitivo e seletivo da síntese da enzima 3-hidróxi-3-metilglutaril-coenzima A (HMG-CoA) redutase. Esta enzima catalisa a reação determinante da velocidade da síntese de colesterol, visto que intervém na conversão de HMG-CoA a ácido mevalônico. O principal sítio de ação de atorvastatina localiza-se no fígado. Visto que a dose correlaciona-se melhor com a redução do LDL-colesterol do que com a concentração sistêmica, a dose deve basear-se na resposta terapêutica. Além disso, destaca-se seu efeito redutor dos triglicerídeos. Absorve-se de maneira rápida e completa no trato gastrintestinal; o grau de absorção é dependente da dose, e a ingestão simultânea de alimentos diminui a abosorção em cerca de 9%; não obstante, a redução do LDL-colesterol é simular quando a atorvastatina é administrada com ou sem alimentos.O metabolismo é realizado no fígado, principalmente pelo sistema enzimático do citocromo P450; 70% da atividade inibitória sobre a HMG-CoA redutase são atribuídos aos metabólitos ativos. A eliminação do fármaco original e de seus metabólitos é realizada principalmente pela bile; apenas cerca de 2% da dose administrada por via oral são recuperados na urina.

Indicações.

Hipercolesterolemias. Dislipidemias. Hipercolesterolemia familiar. Tratamento coadjuvante da dieta para diminuir os níveis elevados de colesterol total, LDL-colesterol, apobetalipoproteínas e triglicerídeos em pacientes com hipercolesterolemia primária (heterozigota familiar e não-familiar) e na dislipemia mista (Fredrickson tipos lla e llb).

Posologia.

Hipercolesterolemia (heterozigota familiar e não-familiar) e dislipemia mista (Fredrickson tipos lla e llb). Adultos: oral, 10 mg uma vez ao dia. Hipercolesterolemia familiar homozigota. Adultos: oral, 10 a 80 mg uma vez ao dia.

Superdosagem.

Em caso de superdosagem, o paciente deve receber tratamento sintomático e medidas de suporte.

Reações adversas.

Em geral são leves a moderadas, compreendendo constipação, flatulência, dispepsia e dores abdominais. Mais ocasionalmente edema facial, febre, rigidez cervical, mal-estar, reação de fotossensibilidade, edema generalizado, gastrenterite, alterações da função hepática, colite, vômitos, gastrite, boca seca, hemorragia retal, esofagite, eructações, glossite, anorexia, aumento do apetite, estomatite, úlcera duodenal, disfagia, úlcera gástrica, hepatite, pancreatite, icterícia colestática, dispnéia, asma, epistaxe, parestesias, sonolência, alterações do sono, neuropatia periférica, torcicolos, hipercinesia, cãibras musculares, miosite, prurido, dermatite de contato, úlceras cutâneas, disúria, menorragia, nefrite, incontinência urinária, anormalidades de ejaculação, disgeusia, palpitações, hiperglicemia-hipoglicemia, aumento da fosfocreatinoquinase, gota, aumento do peso corporal.

Precauções.

Recomenda-se controlar a função hepática antes e durante o tratamento. Nos casos em que se observe aumento da concentração plasmática de transaminases (GOT e GPT) acima do triplo do valor normal, a dose do medicamento deverá ser reduzida ou o tratamento deverá ser suspenso. Aconselha-se precaução em pacientes com antecedentes de consumo abusivo de álcool ou história prévia de hepatopatias severas ou elevações persistentes das transaminases hepáticas. O tratamento deverá ser suspenso naqueles pacientes que apresentem aumento dos níveis de fosfocreatino-quinase ou suspeita ou diagnóstico de miopatias. O risco de miopatia durante o tratamento aumenta com a administração concomitante de ciclosporina, derivados do ácido fíbrico, eritromicina, niacina ou antifúngicos azólicos. Antes dos início do tratamento aconselha-se controlar a hipercolesterolemia com uma dieta apropriada, exercício e redução de peso em pacientes obesos. Não se recomenda o uso em crianças devido a ausência de experiência clínica.Estudos realizados em ratos demonstraram que não apresenta efeitos embriotóxicos, carcinogênicos, mutagênicos, nem genotóxicos. Está contra-indicado em mulheres grávidas ou em período de amamentação em função das reações adversas em crianças.

Interações.

O risco de miopatias durante o tratamento aumenta com a administração simultânea de ciclosporina, derivados do ácido fíbrico, eritromicina, antifúngicos azólicos ou niacina. A administração concomitante com antiácidos que contenham hidróxidos de magnésio e alumínio diminui a concentração plasmática de atorvastatina em cerca de 30%; igual efeito é observado quando o fármaco co-administrado é a colestiramina. As concentrações plasmáticas de digoxina aumentam quando administrada juntamente com atorvastatina. A eritromicina aumenta as concentrações plasmáticas de atorvastatina através da inibição da ação do citocromo P450. A administração conjunta com anovulatórios contendo noretindrona e etinilestradiol aumenta as concentrações plasmáticas destes dois hormônios.

Contra-indicações.

Hipersensibilidade ao fármaco, insuficiência hepática, gravidez, amamentação, mulheres em idade fértil que não utilizam método contraceptivo adequado.