m  i  s  o  d  o  r


        SITE PREPARATORIO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA, REVALIDA, CONCURSOS PUBLICOS E PROVAS DE TITULO

usuario: senha:


NÃO SOU CADASTRADO
                                                         NÃO LEMBRO A SENHA/USUÁRIO



1052 USUARIOS INSCRITOS

211 PROVAS FEITAS POR ASSINANTES

719 RECADOS DOS VISITANTES


NOSSO BANCO DE PROVAS TEM:
6238 QUESTÕES OBJETIVAS, PRECISAMENTE:

1449 DE CLINICA, 2689 DE PEDIATRIA, 1260 DE CIRURGIA, 201 DE OBSTETRICA-GINECOLOGIA, 361 DE SAUDE PUBLICA
103 QUESTÕES DISSERTATIVAS E 138 CASOS CLINICOS

"HALL OF FAME" - CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO GERAL AQUI:

Pos.    Nickname Pontuação Media Nr. provas
1.    KATY 581.90 2.520 21
2.    MO 482.00 9.181 21
3.    TARGIGNIS 424.30 6.573 11

SITES RECOMENDADOS:

 

CONFIRA ALGUNS EXEMPLOS, ESCOLHIDOS PELO SISTEMA ALEATÓRIO:

OBJETIVA: (252228 votos)..........99.02% das questões objetivas receberam votos.
Um jovem de 29 anos que sofreu um acidente de carro é diagnosticado com lesão hepática de terceiro grau. Podemos afirmar que:

(I) o risco de vida deste caso é acima de 80%
(II) a profundidade da laceração é maior de 3 cm
(III) a solução terapeutica é o chunte porto-cavo
(IV) está indicada a manobra de Pringle
A. I e II
B. I e III
C. II e IV
D. II e III
E. II, III e IV

  RATING: 2.9

Um jovem de 29 anos que sofreu um acidente de carro é diagnosticado com lesão hepática de terceiro grau. Podemos afirmar que:

(I) o risco de vida deste caso é acima de 80%
INCORRETO: As lesões dos tipos I, II e III são ditas simples, correspondendo a 80% do total e com mortalidade de 10%.
(II) a profundidade da laceração é maior de 3 cm
CORRETO: GRAU III ASST: Hematoma - Subcapsular, > 50% superfície ou expansivo. Hematoma subcapsular roto com sangramento ativo. Intraparenquimatoso, > 10cm ou expansivo.Laceração - > 3cm de profundidade no parênquima
(III) a solução terapeutica é o chunte porto-cavo
INCORRETO: somente no caso das lesões vasculares graves (V e VI) com prognóstico sombrio sendo sangramento incoercível, pode-se utilizar o shunt átrio-caval, último recurso, com mortalidade muito alta (em torno de 75%).
(IV) está indicada a manobra de Pringle

CORRETO: No caso das lacerações com sangramento profuso (tipo III-IV), lança-se mão da manobra de Pringle, que consiste no clampeamento das estruturas do ligamento hepatoduodenal (colédoco, artéria hepática e veia porta). Este procedimento permite a diferenciação entre sangramentos provenientes da veia cava e artéria hepática, que param de sangrar, daqueles oriundos do segmento retrohepático da veia cava e veia hepática, que não param.

A. I e II
INCORRETO: veja os comentários acíma
B. I e III
INCORRETO : veja os comentários acíma
C. II e IV
CORRETO : veja os comentários acíma
D. II e III
INCORRETO : veja os comentários acíma
E. II, III e IV
INCORRETO : veja os comentários acíma

Gabarito:  C

AVALIE ESSA QUESTÃO: (2.9)
DISCURSIVA: (17740 votos) ..........100% das questões discursivas receberam votos.
Enumeram os principios basicos de tratamento do choque cardiogênico pediatrico na emergência.

RATING: 2.96

Enumeram os principios basicos de tratamento do choque cardiogênico pediatrico na emergência.

  1. Suporte hemodinâmico (0,01 p)
    1. Pressão arterial normal (0,020 p)
      • Milrinona 0,1-1 mcg/kg/min (0,025 p)
      • Dobutamina 5-15 mcg/kg/min (0,025 p)
      • Levosimendana 0,1 -0,2 mcg/kg/min (0,025 p)
    2. Pressão arterial baixa (0,020 p)
      • Dopamina 5-10 mcg/kg/min (0,025 p)
      • Epinefrina 0,01-0,3 mcg/kg/min (0,025 p)
      • Norepinefrina 0,01-0,2 mcg/kg/min (0,025 p)
  2. Medidas que visam minimizar as demandas de oxigênio (0,025 p)
  3. Suporte ventilatório precoce (0,025 p)
  4. Uso de sedativos e analgésicos (0,025 p)
  5. Manutenção da temperatura corpórea normal (0,025 p)
  6. Manter a homeostase metabólica (0,025 p)
      • o pH, (0,025 p)
      • glicose, (0,025 p)
      • cálcio (0,025 p)
      • magnésio (0,025 p)
  7. Corrigir anemia (0,025 p)
  8. Tratar arritmias (0,025 p)
  9. Uso de diurético - Indicado em pacientes com edema pulmonar ou congestão venosa sistêmica (furosemida 1 mg/kg), mas deve ser administrado apenas após a restauração da perfusão sistêmica e a normalização da pressão arterial. (0,025 p)

FONTE:
Choque em Crianças Autora: Ana Paula de Carvalho Panzeri Carlotti

AVALIE ESSA QUESTÃO: (2.96)

CASO CLINICO: (23918 votos)..........100% dos casos clinicos receberam votos.
W. de L. M., F, parda, 48 anos (veja a foto abaixo), proveniente de Tocantins, morando num vilarejo que não tinha fácil acesso ao serviço publico de saúde, chegou recentemente em São Paulo em procura de emprego. No primeiro lugar que ela tentou obter um trabalho foi aconselhada a procurar o posto de saúde para ser examinada por um profissional, pois apresentava no rosto máculas, pápulas, nódulos e tubérculos, pele xerótica, com aspecto apergaminhado e tonalidade semelhante ao cobre. Há rarefação dos pelos nos membros, cílios e da cauda da sobrancelha. A paciente se apresentou com esse quadro clinico no médico de família.

1) Qual é a suspeita diagnostica? - 0,05 pontos
2) Enumeram pelo menos 3 critérios que poderiam confirmar o diagnostico. - 0,15 pontos
3) Proponham um esquema terapêutica para o caso acíma, justificando as escolhas. - 0,2 pontos
4) Na frente do profissional de saúde a paciente informa que é portadora de vírus HIV e faz tratamento com AZT. Qual a atitude do profissional frente a esse informe? - 0,1 pontos


RATING: 2.95

1) Qual é a suspeita diagnostica?
A paciente apresenta características de 'facies leonino', presente na hanseníase virchoviana 0,05 p

2) Enumeram pelo menos 3 critérios que poderiam confirmar o diagnostico.
Considera-se um caso de hanseníase a pessoa que apresenta um ou mais dos seguintes sinais cardinais
• mancha e/ou área(s) da pele com alteração (perda) de sensibilidade, característica da hanseníase;0,05 p
• acometimento de nervo(s) periférico(s), com ou sem espessamento, associado a alterações sensitivas e/ou motoras e/ou autonômicas 0,05 p
• baciloscopia positiva de esfregaço intradérmico.0,05 p

3) Proponham um esquema terapêutica para o caso acima, justificando as escolhas.
A lepra virchoviana é considerada uma forme multibacilar de hanseníase (0,05 p) e, neste caso a esquema terapêutica do adulto inclui:
Rifampicina (RFM): dose mensal de 600 mg (2 cápsulas de 300 mg) com administração supervisionada.0,05 p
Dapsona (DDS): dose mensal de 100 mg supervisionada e uma dose diária de 100 mg autoadministrada.0,05 p
Clofazimina (CFZ): dose mensal de 300 mg (3 cápsulas de 100 mg) com administração supervisionada e uma dose diária de 50 mg autoadministrada.0,05 p

4) Na frente do profissional de saúde a paciente informa que é portadora de virus HIV e faz tratamento com AZT. Qual a atitude do profissional frente a esse informe?
A rifampicina na dose utilizada para tratamento da hanseníase (600 mg/mês) não interfere nos inibidores de protease usados no tratamento de pacientes com Aids. Portanto, o esquema PQT padrão não deve ser alterado.0,05 p
A hanseníase não se modifica basicamente pela coinfecção com o vírus HIV; entretanto existe a possibilidade de maior gravidade nas reações hansênicas. 0,05 p

AVALIE ESSE CASO CLINICO: (2.95)

Todos os direitos reservados. 2019.
O site misodor.com está online desde 04 de novembro de 2008
O nome, o logo e o site misodor são propriedade declarada do webmaster
Qualquer conteudo deste site pode ser integralmente ou parcialmente reproduzido, com a condição da menção da fonte.