m  i  s  o  d  o  r


        SITE PREPARATORIO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA, REVALIDA, CONCURSOS PUBLICOS E PROVAS DE TITULO

usuario: senha:


NÃO SOU CADASTRADO
                                                         NÃO LEMBRO A SENHA/USUÁRIO



820 USUARIOS INSCRITOS

166 PROVAS FEITAS POR ASSINANTES

712 RECADOS DOS VISITANTES


NOSSO BANCO DE PROVAS TEM:
5813 QUESTÕES OBJETIVAS, PRECISAMENTE:

1276 DE CLINICA, 2513 DE PEDIATRIA, 1206 DE CIRURGIA, 201 DE OBSTETRICA-GINECOLOGIA, 339 DE SAUDE PUBLICA
98 QUESTÕES DISSERTATIVAS E 135 CASOS CLINICOS


CLASSIFICAÇÃO I CONCURSO SETEMBRO 2019
VEJA A CLASSIFICAÇÃO INTEIRA AQUI
Pos. Nickname Pontuação Premio Provas
1.   LULALIVRE 308.00    300 R$  10
2.   YURIKANG 215.00      3
3.   TERRY_BUENO 113.00      5
4.   MO 109.00      5
5.   MARIA 89.00      4
6.   DAMIAN 68.00      4

"HALL OF FAME" - CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO GERAL AQUI:

Pos.    Nickname Pontuação Media Nr. provas
1.    LULALIVRE 308.00 8.220 10
2.    MO 261.00 8.700 12
3.    YURIKANG 215.00 6.333 3

CONFIRA ALGUNS EXEMPLOS, ESCOLHIDOS PELO SISTEMA ALEATÓRIO:

OBJETIVA: (16694 votos)..........58.95% das questões objetivas receberam votos.
Primigesta, 28 anos, 34 semanas, comparece ao pré-natal com PA = 150X100mmHg, edema de membros inferiores 3+/4+, peso = 69 kg, proteína em fita urinária de 2+/4+. Nega hipertensão prévia. Consulta com 32 semanas mostrava PA = 100X70mmHg, edema 1+/4+, peso = 66 kg. Traços de proteína na fita urinária. O melhor planejamento é:
A. propor internação para introduzir terapia medicamentosa anti-hipertensiva e realizar exames prognósticos para hipertensão gestacional e saúde fetal
B. considerando a idade gestacional, a interrupção da gestação por parto cesáreo é a melhor opção
C. como apenas a hipertensão sugere o diagnóstico de pré-eclâmpsia, é possível que nova aferição, com 30 minutos de intervalo, em ambiente calmo, possa mostrar que se trata de hipertensão por estresse da consulta
D. evitar a internação, prescrevendo repouso em casa e introduzindo anti-hipertensivo com retorno agendado para observação em 7 dias
E. indicar internação e preparo imediato do colo uterino com misoprostol para indução posterior

  RATING: 5

Primigesta, 28 anos, 34 semanas, comparece ao pré-natal com PA = 150X100mmHg, edema de membros inferiores 3+/4+, peso = 69 kg, proteína em fita urinária de 2+/4+. Nega hipertensão prévia. Consulta com 32 semanas mostrava PA = 100X70mmHg, edema 1+/4+, peso = 66 kg. Traços de proteína na fita urinária. O melhor planejamento é:

A. propor internação para introduzir terapia medicamentosa anti-hipertensiva e realizar exames prognósticos para hipertensão gestacional e saúde fetal
INCORRETO: Trata-se de um caso de pré-eclâmpsia leve de aparecimento recente, já que 2 semanas antes a hipertensão arterial ainda não havia se desenvolvido. A resposta considerada como correta é, na realidade, a que contém menos elementos errados, já que não há uma resposta perfeita nesta questão. A conduta padrão, para a maioria dos autores, em casos como esse, é a avaliação do bem estar materno (exames complementares além de exame clínico completo), avaliação do bem estar fetal (cardiotocografia, Dopplerfluxometria e avaliação clínica), repouso, dieta normossódica e avaliação da curva de pressão arterial.
B. considerando a idade gestacional, a interrupção da gestação por parto cesáreo é a melhor opção
INCORRETO : So havendo agravamento do quadro clínico, laboratorial ou comprometimento do bem estar fetal, indica-se a antecipação do parto.
C. como apenas a hipertensão sugere o diagnóstico de pré-eclâmpsia, é possível que nova aferição, com 30 minutos de intervalo, em ambiente calmo, possa mostrar que se trata de hipertensão por estresse da consulta
INCORRETO : A proteinúria, o edema e o aumento ponderal excessivo são sinais de pré-eclâmpsia, o que descarta esta resposta
D. evitar a internação, prescrevendo repouso em casa e introduzindo anti-hipertensivo com retorno agendado para observação em 7 dias
INCORRETO : O acompanhamento sem avaliação do bem estar materno ou fetal seria negligência .
E. indicar internação e preparo imediato do colo uterino com misoprostol para indução posterior
INCORRETO : Seria uma falha porque não prevê uma avaliação do bem-estar-fetal, o que é necessário para quem terá o parto induzido, além de ´pré-eclâmpsia leve não ser sinônimo de interrupção da gravidez.

Gabarito:  A

AVALIE ESSA QUESTÃO: (5)
DISCURSIVA: (3833 votos) ..........100% das questões discursivas receberam votos.
O uso de indicadores epidemiológicos é o modo mais relevante na avaliação de qualquer atividade na área da Saúde no SUS, mormente nos serviços públicos. A) Defina indicadores epidemiológicos. (0,1 ponto) B) Cite 3 (três) critérios a que deve obedecer um bom indicador, discutindo-os sucintamente. (0,3 pontos) C) Cite dois indicadores frequentemente utilizados na avaliação das condições de Saúde de uma população da área de abrangência de uma Unidade Básica. (0,1 pontos)

RATING: 3.23

O uso de indicadores epidemiológicos é o modo mais relevante na avaliação de qualquer atividade na área da Saúde no SUS, mormente nos serviços públicos. A) Defina indicadores epidemiológicos. (0,1 ponto) B) Cite 3 (três) critérios a que deve obedecer um bom indicador, discutindo-os sucintamente. (0,3 pontos) C) Cite dois indicadores frequentemente utilizados na avaliação das condições de Saúde de uma população da área de abrangência de uma Unidade Básica. (0,1 pontos)

A) Indicadores epidemiológicos são números ou razões, caracterizados como índices, que indicam vários aspectos da situação de saúde em uma população qualquer. (0,1 p)
B) Critérios:
- Validade é a propriedade de um indicador que representa o que se quer medir, bem como é capaz de detectar mudanças no fenômeno em medição. (0,1 p)
- Confiabilidade é a propriedade do indicador que muda pouco em relação ao tempo, portanto quanto mais utilizá-lo, os resultados esperados são semelhantes. (0,1 p)
- Representatividade significa que o indicador realmente representa a realidade que se mediu e deve ser obtido de maneira mais simplificada possível. (0,1 p)
C) Coeficiente de prevalência e coeficiente de incidência de doenças na população da área de abrangência. (0,1 p)

FONTE:
PROVA DE REVALIDAÇÃO U. F. M. T. 2011

AVALIE ESSA QUESTÃO: (3.23)

CASO CLINICO: (5410 votos)..........100% dos casos clinicos receberam votos.
Criança do sexo masculino, de 11 anos de idade, estudante, residente no BH, que em Dezembro de 2018 é referenciado ao Centro Hospitalar aonde você está trabalhando, por ter sido detectada HAS grave, em exame de medicina esportiva. Subjetivamente, apenas referia fadiga muscular após a realização de exercício físico anaeróbio – sprint – com dois anos de evolução.
Os antecedentes pessoais eram irrelevantes, e não havia incidência familiar de HAS.
O exame físico revelou valores de pressão arterial (PA) de 200/110 mmHg no membro superior direito, 200/120 mmHg no membro superior esquerdo e de 100/65 mmHg nos membros inferiores.
Era audível um sopro sistólico aórtico, grau II/VI, com irradiação interescapular esquerda e um reforço do 2º tom aórtico. Os pulsos femurais eram de baixa amplitude, quase ausentes.
Quanto esse caso, esclareça os seguintes pontos:
1) Qual é a suspeita diagnostica? (0,25 pontos)
2) Qual é, nesse caso, a causa da hipertensão arterial dessa criança?(0,125 pontos)
3) Qual é a terapia indicada (0,125 pontos)?


RATING: 3.23

1) a) Coarctação da aorta (0,125 p) b) Hipertensão arterial juvenil (0,125 p)
DISCUSSÃO (não vai ser gabaritada!): A coarctação da aorta é uma malformação congênita que ocorre em 7% dos doentes portadores de cardiopatias congênitas, com predomínio no sexo masculino (relação 2:1). Caracteriza-se por um estreitamento segmentar da artéria aorta, geralmente localizado a montante da emergência da artéria subclávia esquerda e, em dois terços das crianças, leva ao desenvolvimento de hipertensão arterial.
A coarctação da aorta reconhecida após a primeira infância raramente está associada a sintomas significativos. Porque? Geralmente, é uma forma justaductal simples. Encontraremos aqui: fraqueza ou dor (ou ambos) nas pernas após o exercício, hipertensão no exame físico de rotina - frequentemente essas crianças se apresentam no cardiologista para isso O sinal clássico de coarctação da aorta é uma diferença na pulsação e na pressão arterial nos braços e nas pernas. Isto tem lógica no fato que, por conta da coartação (estreitamento) o fluxo sanguineo para as porções declivas é muito baixo. Traduzido isso significa que vamos ter lugares com pulso fraco e lugares com pulso amplo. São fracos ou ausentes em mais de 40% das situações: pulsos femorais, pulsos poplíteos, pulsos tibiais posteriores, pulsos pediosos. São amplos: pulsos dos braços e os pulsos dos vasos carotídeos ATRASOS: Normalmente, o pulso femoral ocorre ligeiramente antes do pulso radial e a pressão arterial sistolica nas pernas obtida pelo método do manguito (cuff) é 10-20 mmHg maior do que nos braços. Os pulsos radiais e femorais sempre devem ser palpados simultaneamente, pesquisando-se a eventual presença de um atraso radial-femoral.
Na coarctação da aorta: a pressão arterial nas pernas e menor do que nos braços (pacientes com coarctação que têm mais de 1 ano de idade) Com o exercício, ocorre uma elevação mais acentuada na pressão arterial sistêmica, e o gradiente extremidade superior-inferior aumentará e é frequentemente dificil obtê-la (90% têm hipertensão sistólica em um dos membros superiores maior que o percentil 95 para a idade).

2) A coarctação da aorta é causa de HTA secundária em menos de 1% das causas conhecidas de HTA. (0,125 p)
DISCUSSÃO (não vai ser gabaritada!): Tal como referido anteriormente, caracteriza-se por um estreitamento segmentar da artéria aorta, que pode ocorrer em qualquer ponto da sua extensão, ainda que mais frequentemente se localize a juzante do tronco arterial braquiocefálico. Cerca de dois terços das crianças com esta malformação desenvolvem hipertensão arterial.
As manifestações clínicas dependem do local e da extensão da obstrução, bem como da presença de anomalias cardíacas associadas, sendo a mais frequente a válvula aórtica bicúspide, presente neste caso. Pode ainda associar-se a aneurisma de Berry ou disgenesia gonadal (síndroma de Turner).

3) Cirurgia reparatoria.(0,125 p)
DISCUSSÃO (não vai ser gabaritada!): Crianças mais velhas significa que a coartação não foi tão grave para aparecer cedo. Ou seja, eles devem ser tratadas relativamente logo após o diagnóstico. Isto porque, quando diagnosticados, a coartação já deve causar efeitos hemodinamicos importantes!
Entretanto, agora, o atraso é injustificável, em especial após a segunda década de vida, quando a operação pode ser menos bem-sucedida por a uma função ventricular esquerda reduzida e por alterações degenerativas na parede da aorta.

AVALIE ESSE CASO CLINICO: (3.23)

Todos os direitos reservados. 2019.
O site misodor.com está online desde 04 de novembro de 2008
O nome, o logo e o site misodor são propriedade declarada do webmaster
Qualquer conteudo deste site pode ser integralmente ou parcialmente reproduzido, com a condição da menção da fonte.