m  i  s  o  d  o  r


        SITE PREPARATORIO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA, REVALIDA, CONCURSOS PUBLICOS E PROVAS DE TITULO

usuario: senha:


NÃO SOU CADASTRADO
                                                         NÃO LEMBRO A SENHA/USUÁRIO



1034 USUARIOS INSCRITOS

210 PROVAS FEITAS POR ASSINANTES

719 RECADOS DOS VISITANTES


NOSSO BANCO DE PROVAS TEM:
6219 QUESTÕES OBJETIVAS, PRECISAMENTE:

1442 DE CLINICA, 2677 DE PEDIATRIA, 1260 DE CIRURGIA, 201 DE OBSTETRICA-GINECOLOGIA, 361 DE SAUDE PUBLICA
102 QUESTÕES DISSERTATIVAS E 138 CASOS CLINICOS

"HALL OF FAME" - CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO GERAL AQUI:

Pos.    Nickname Pontuação Media Nr. provas
1.    KATY 581.90 2.520 21
2.    MO 482.00 9.181 21
3.    TARGIGNIS 424.30 6.573 11

SITES RECOMENDADOS:

 

CONFIRA ALGUNS EXEMPLOS, ESCOLHIDOS PELO SISTEMA ALEATÓRIO:

OBJETIVA: (246009 votos)..........99.26% das questões objetivas receberam votos.
Uma paciente de 30 anos dá entrada na sala de emergência com história de síncope há 1 h, precedida de intensa palpitação referida na região cervical. Na mesa de exame volta a apresentar palpitações e sensação de intenso mal-estar. Neste momento, sua freqüência cardíaca era de 220 bpm e a sua pressão arterial de 120 x 80 mmHg. Restante do exame físico normal. O ECG revelou taquiarritmia com QRS estreito, RR regular e ausência de onda P. Não houve resposta com a realização de manobra vagal. A conduta mais indicada neste momento é:
A. Adenosina 6 mg venosa
B. Amiodarona 300 mg venosa
C. Verapamil 5 mg venoso
D. Lidocaína 1,5 mg/Kg venosa
E. Cardioversão elétrica sincronizada com 100 J

  RATING: 3

Uma paciente de 30 anos dá entrada na sala de emergência com história de síncope há 1 h, precedida de intensa palpitação referida na região cervical. Na mesa de exame volta a apresentar palpitações e sensação de intenso mal-estar. Neste momento, sua freqüência cardíaca era de 220 bpm e a sua pressão arterial de 120 x 80 mmHg. Restante do exame físico normal. O ECG revelou taquiarritmia com QRS estreito, RR regular e ausência de onda P. Não houve resposta com a realização de manobra vagal. A conduta mais indicada neste momento é:

A. Adenosina 6 mg venosa
CORRETO: Analise os achados no ECG durante esta taquiarritmia: FC = 220 bpm (bastante alta) + QRS estreito + RR regular + ausência de onda P. Estes achados são diagnósticos da taquicardia supraventricular paroxística (Taqui Supra). Esta arritmia é muito comum, ocorrendo em qualquer faixa etária, mas predominando em adultos jovens, especialmente do sexo feminino. O coração é estruturalmente normal, mas o paciente nasceu com um distúrbio eletrofisiológico que forma o substrato arritmogênico da síndrome. O distúrbio mais comum (75% dos casos) é a dupla via nodal, no qual a região do nódulo AV possui duas vias (alfa e beta), ao invés de uma; neste caso, uma simples extrassístole pode precipitar um mecanismo de reentrada do estímulo elétrico no nódulo AV, circulando pelas duas vias: é o que chamamos de taquicardia AV nodal. A maioria dos 25% restantes possui um mecanismo diverso: a presença de uma via acessória, comunicando o átrio com o ventrículo por uma “passagem” diferente do nódulo AV. Da mesma forma, uma extrassístole pode desencadear a Taqui Supra, pela formação de um circuito de reentrada passando pela via acessória e pelo nódulo AV. Estamos falando da síndrome de Wolff-Parkinson-White.
Muito bem... Como fazer para reverter a Taqui Supra?? A droga de escolha é a adenosina 6 mg IV em bolo. Este fármaco é um potente inibidor do nódulo AV; como este nódulo sempre participa do circuito reentrante da Taqui Supra (seja ela taquicardia AV nodal ou Wolff-Parkinson-White), o bloqueio agudo deste nódulo pela adenosina “corta” de imediato o circuito da arritmia, revertendo-a prontamente em 98% dos casos.
Num pequeno percentual de casos, a manobra vagal pode reverter a arritmia. O que fazer após a reversão da Taqui Supra?? Se o ECG em ritmo sinusal for normal, o diagnóstico mais provável é taquicardia AV nodal: a droga profilática de escolha é o verapamil oral. Se o ECG em ritmo sinusal mostrar PR curto e onda delta, estamos diante da síndrome de Wolff-Parkinson-White: a droga profilática de escolha é a propafenona ou o sotalol, que agem inibindo a condução pela via acessória. Atualmente, a Taqui Supra tem cura!! Após realizar um estudo eletrofisiológico (EEF), o arritmologista pode fazer uma ablação por radiofrequência da via alfa (no caso da taquicardia AV nodal) ou da via acessória (no caso da síndrome de WPW). A cura ocorre em 95% dos casos!

B. Amiodarona 300 mg venosa
INCORRETO : veja a resposta da alternativa A
C. Verapamil 5 mg venoso
INCORRETO : A droga de segunda escolha é o verapamil 2,5-5 mg IV lento
D. Lidocaína 1,5 mg/Kg venosa
INCORRETO : veja a resposta da alternativa A
E. Cardioversão elétrica sincronizada com 100 J
INCORRETO :

Gabarito:  A

AVALIE ESSA QUESTÃO: (3)
DISCURSIVA: (17116 votos) ..........100% das questões discursivas receberam votos.
A) Qual a definição da síndrome de dificuldade respiratória tipo I (SDR tipo I ou doença das membranas hialinas) ?
B) Qual é o quadro clínico da síndrome de dificuldade respiratória tipo I (SDR tipo I ou doença das membranas hialinas) ?

RATING: 3.01

A) Qual a definição da síndrome de dificuldade respiratória tipo I (SDR tipo I ou doença das membranas hialinas) ?
B) Qual é o quadro clínico da síndrome de dificuldade respiratória tipo I (SDR tipo I ou doença das membranas hialinas) ?

A) Dificuldade respiratória de grau variável (0,05 p) resultante do colapso alveolar (0,05 p) por défice de surfatante pulmonar (0,05 p), associada, na sua grande maioria, a um shunt intrapulmonar (shunt direito-esquerdo) (0,05 p), por aumento da resistência vascular pulmonar (0,05 p).

B) Clínica: Síndrome de dificuldade respiratória moderada a grave (0,05 p) associada a cianose central, (0,05 p) desde o nascimento ou 1as horas de vida (0,05 p), com agravamento além das 6 horas (0,05 p) e, nos casos não complicados, com melhoria a partir do 3º - 4º dias. (0,05 p)

FONTE:
SÍNDROME DE DIFICULDADE RESPIRATÓRIA TIPO I OU DOENÇA DAS MEMBRANAS HIALINAS

AVALIE ESSA QUESTÃO: (3.01)

CASO CLINICO: (23034 votos)..........100% dos casos clinicos receberam votos.

Um menino de 10 anos de idade chega ao seu consultório para um exame físico de rotina. A única queixa do menino é a de ser mais baixo que seus amigos e não poder ir à montanha-russa do parque de diversões por ser mais baixo que o necessário. Você tem acompanhado esta criança durante anos, porém a maioria das consultas foi por causa de enfermidades, e sua altura não foi medida nos últimos anos. Ele não está sob nenhuma medicação. Ele relata fadiga ocasional e constipação ocasional. No exame físico, sua altura é inferior ao percentil 3, e ele é pré-púbere.

1) Qual é o parâmetro de maior ajuda no estabelecimento do diagnostico? (0,125 p)

2) Qual o diagnóstico mais provável se o paciente possui proporções corporais anormais e uma distância interpedicular estreita na região lombossacral inferior?  (0,125 p)

3) Qual é a velocidade media de crescimento nesta idade?  (0,125 p)

4) Qual o potencial genético de altura do paciente se seu pai tiver 1,78 m e sua mãe 1,65 m?  (0,125 p)




RATING: 3.06

1) Quais são os dados de maior ajuda no estabelecimento do diagnostico?

  1. Dados sobre as alturas dos pais oferecem informações a respeito do potencial genético de crescimento da criança. (0,025 p)
  2. A velocidade de crescimento possibilita que você determine se a criança está crescendo a uma taxa normal para sua idade. (0,025 p)
  3. Um padrão previsível de maturação óssea ocorre durante o crescimento ósseo, e uma radiografia para determinação da idade óssea é útil para determinar a maturação óssea e o potencial de crescimento de uma criança. (0,025 p)
  4. O índice peso para altura atual também é importante e ajuda a excluir um componente nutricional do déficit de crescimento.
  5. Outras partes importantes do histórico incluem:
    • histórico puberal e de crescimento familiar
    • peso e comprimento ao nascimento
    • histórico médico geral para excluir doença crônica como uma causa de baixa estatura.  (0,025 p)

2) Qual o diagnóstico mais provável se o paciente possui proporções corporais anormais e uma distância interpedicular estreita na região lombossacral inferior? 

Hipocondroplasia. A hipocondroplasia é geralmente descrita como uma forma mais branda da acondroplasia. No entanto, embora ambas sejam transmitidas por herança autossômica dominante, elas não foram relatadas ocorrer na mesma família. A hipocondroplasia é o resultado de uma mutação no gene do receptor 3 do fator de crescimento de fibroblastos. Os pacientes apresentam baixa estatura e aspectos dismórficos que são mais brandos do que na acondroplasia. Eles não possuem as características faciais típicas da acondroplasia. Estes pacientes apresentam evidência radiológica de uma distância interpedicular estreita na região lombossacral inferior. (0,125 p)

3) Qual é a velocidade media de crescimento nesta idade? 

A resposta é 5-6,5 cm/ano. Entre 3 e 10 anos de idade, as crianças tendem a crescer a uma velocidade de crescimento constante, que varia de 5 cm, ou 2 polegadas, por ano. (0,125 p)

4) Qual o potencial genético de altura do paciente se seu pai tiver 1,78 m e sua mãe 1,65 m? 

A resposta é 1,78 m. O potencial genético de altura da criança pode ser estimado calculando a altura média dos pais. Para meninos, 12,7 cm são adicionados à altura da mãe, e uma média é obtida com a altura do pai; para meninas, 12,7 cm são subtraídos da altura do pai e uma média obtida com a altura da mãe.(0,125 p)

AVALIE ESSE CASO CLINICO: (3.06)

Todos os direitos reservados. 2019.
O site misodor.com está online desde 04 de novembro de 2008
O nome, o logo e o site misodor são propriedade declarada do webmaster
Qualquer conteudo deste site pode ser integralmente ou parcialmente reproduzido, com a condição da menção da fonte.