m  i  s  o  d  o  r


        SITE PREPARATORIO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA, REVALIDA, CONCURSOS PUBLICOS E PROVAS DE TITULO

usuario: senha:


NÃO SOU CADASTRADO
                                                         NÃO LEMBRO A SENHA/USUÁRIO



1052 USUARIOS INSCRITOS

211 PROVAS FEITAS POR ASSINANTES

719 RECADOS DOS VISITANTES


NOSSO BANCO DE PROVAS TEM:
6238 QUESTÕES OBJETIVAS, PRECISAMENTE:

1449 DE CLINICA, 2689 DE PEDIATRIA, 1260 DE CIRURGIA, 201 DE OBSTETRICA-GINECOLOGIA, 361 DE SAUDE PUBLICA
103 QUESTÕES DISSERTATIVAS E 138 CASOS CLINICOS

"HALL OF FAME" - CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO GERAL AQUI:

Pos.    Nickname Pontuação Media Nr. provas
1.    KATY 581.90 2.520 21
2.    MO 482.00 9.181 21
3.    TARGIGNIS 424.30 6.573 11

SITES RECOMENDADOS:

 

CONFIRA ALGUNS EXEMPLOS, ESCOLHIDOS PELO SISTEMA ALEATÓRIO:

OBJETIVA: (252227 votos)..........99.02% das questões objetivas receberam votos.
Sobre a implicação dos antiinflamatorios não esteroidicos (AINES) na etiologia da doença ulcerosa e VERDADE que:
A. a ingestão de AINES apenas causa lesão gastrica mas não está associada à lesão duodenal crónica
B. os AINES aumentam o risco de complicações gastrintestinais somente em pacientes com Helicobacter pylori positivo
C. quando o emprego do AINES é suspenso as úlceras geralmente não recorrem
D. a recorrência de um infarto do miocárdio ou de um acidente vascular cerebral aumenta o risco de doença ulcerosa causada pelo AINES
E. as lesões gastroduodenais tipicamente aparecem 2-3 horas após a ingestão dos AINES

  RATING: 2.96

Sobre a implicação dos antiinflamatorios não esteroidicos (AINES) na etiologia da doença ulcerosa e VERDADE que:

A. a ingestão de AINES apenas causa lesão gastrica mas não está associada à lesão duodenal crónica
INCORRETO: A ingestão de AINES não apenas causa lesão gastroduodenal aguda, mas também está associada à lesão gastroduodenal crónica.
B. os AINES aumentam o risco de complicações gastrintestinais somente em pacientes com Helicobacter pylori positivo
INCORRETO : Os AINES aumentam o risco de complicações gastrintestinais em aproximadamente 2 a 10 vezes, mas sem houver qualquer condição de presença concomitente do helicobacter.
C. quando o emprego do AINES é suspenso as úlceras geralmente não recorrem
CORRETO : Quando o emprego do AINES é suspenso as úlceras geralmente não recorrem.
D. a recorrência de um infarto do miocárdio ou de um acidente vascular cerebral aumenta o risco de doença ulcerosa causada pelo AINES
INCORRETO : O risco aumentado de sangramento foi documentado nos estudos controlados por placebo com a utilização crónica de aspirina para a prevenção de recorrência de um infarto do miocárdio ou de um acidente vascular cerebral (AVC) - ela não e um fator de risco, mas sim uma circunstância.
E. as lesões gastroduodenais tipicamente aparecem 2-3 horas após a ingestão dos AINES
INCORRETO : As lesões gastroduodenais tipicamente aparecem uma a duas semanas após a ingestão dos AINES.

Gabarito:  C

AVALIE ESSA QUESTÃO: (2.96)
DISCURSIVA: (17740 votos) ..........100% das questões discursivas receberam votos.
Em relação à síndrome de compressão da veia cava superior (SCVCS) responda:

1) Quais são cinco sinais clínicos identificáveis no paciente com SCVCS? (0,125 pontos)
2) Cite quatro métodos utilizados para diagnóstico definitivo (0,125 pontos)
3) Qual o tratamento adequado, baseado no diagnóstico (0,125 pontos)
4) Cite quatro cuidados anestésico-cirúrgicos que devem ser tomados, caso o paciente necessite submeter-se a algum procedimento operatório. (0,125 pontos)


RATING: 2.99

Em relação à síndrome de compressão da veia cava superior (SCVCS) responda:

1) Quais são cinco sinais clínicos identificáveis no paciente com SCVCS? (0,125 pontos)
2) Cite quatro métodos utilizados para diagnóstico definitivo (0,125 pontos)
3) Qual o tratamento adequado, baseado no diagnóstico (0,125 pontos)
4) Cite quatro cuidados anestésico-cirúrgicos que devem ser tomados, caso o paciente necessite submeter-se a algum procedimento operatório. (0,125 pontos)

1) Quais são cinco sinais clínicos identificáveis no paciente com SCVCS? (0,125 p)
  • distensão e ingurgitamento das veias da região cervical;
  • edema facial;
  • pletora facial;
  • paralisia de corda vocal esquerda;
  • Síndrome de Claude-Bernard-Horner;
  • cianose;
  • aparecimento de circulação colateral tipo cava superior-cava inferior;
  • arritmia cardíaca,
  • taquicardia,
  • hipotensão.
2) Cite quatro métodos utilizados para diagnóstico definitivo (0,125 p)
  • mediastinoscopia cervical com biópsia,
  • mediastinotomia e Chamberlain com biópsia,
  • videotoracoscopia com biópsia,
  • biópsia torácica transparietal dirigida por tomografia,
  • toracotomia minimamente invasiva longitudinal axilar.
3) Qual o tratamento adequado, baseado no diagnóstico (0,125 pontos)
  • Confirmação de patologia benigna: tratamento cirúrgico (ressecção ou derivação atriocaval).
  • Confirmação de patologia maligna, irressecável: radioterapia e quimioterapia. 
4) Cite quatro cuidados anestésico-cirúrgicos que devem ser tomados, caso o paciente necessite submeter-se a algum procedimento operatório. (0,125 pontos)
  • Não puncionar veia e não infundir volume em veias do segmento cefálico (pescoço e membros superiores);
  • decúbito elevado tanto quanto possível;
  • uso de corticosteróides;
  • uso de diuréticos em pequenas doses;
  • dar preferência à punção e/ou dissecção venosa em membros inferiores;
  • utilização de heparina de baixo peso molecular quanto não houver outra contra-indicação.

FONTE:
PROVA DE REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA DE MEDICO GRADUADO NO EXTERIOR UMFT – 2006

AVALIE ESSA QUESTÃO: (2.99)

CASO CLINICO: (23918 votos)..........100% dos casos clinicos receberam votos.

Criança HYJ, etnia asiática, F, 6 anos e 2 meses, 24 kg, previamente hígida, inicia no dia de 12 de abril desconforto abdominal, fraqueza e anorexia, febre 38,3°C. Os pais procuraram a UPA aonde foi feito um diagnostico de 'virose' medicada com Paracetamol 1 gota por quilo de peso e sais orias de hidratação e o quadro clinico teve um período de remissão, mas depois de 3 dias de tratamento houve nova piora gradual do vômito e da inapetência. Os pais levaram a criança desta vez para um consultório, aonde foi feito um exame clinico geral e foram solicitados alguns exames. Dia seguinte á essa consulta, antes mesmo de fazer a coleta, a criança apresentou escléras amareladas e recomeçou vômitos – teve um mal estar com 'desmaio' e em seguida, apresentou 'movimentos descontrolados da cabeça e da mão'. Neste momento eles levaram a criança de novo na UPA aonde foi solicitada a internação.
Na entrada no hospital a criança se apresentava com cor amarelada das escleras, choro inconsolável, incapacidade de responder coerentemente ás perguntas, desatenção e sonolência o que levou a mãe afirmar que a criança dela 'não é assim', que mudou muito o comportamento nos últimos dias. Reflexos neurológicos normais. Respiratório e cardiovascular normal. Abdome difusamente doloroso, fígado palpável a aproximadamente 2 cm do rebordo costal direito, de superfície lisa e bordos finos. Foi solicitada a consulta com neurologista por suspeita de encefalite e foi mantida em observação. Solicitados hemograma (normal), exame de licor (normal), bilirrubinas (BT: , enzimas hepáticas (aspartato transaminase (AST) = 1377 UI/l; alanina transaminase (ALT) = 1717 UI/l; bilirrubina total=15,1 mg/dl com predomínio da forma direta - 13,1 mg/dl). Urina com bilirrubinuria e fezes normais com exame de parasitas negativo.>br>
1) Frente á esse quadro qual é o exame de laboratório que não foi solicitado e tem que ser pedido em seguida? (0,125 pontos)
2) Qual o grau de encefalopatia apresentada pela criança no momento da internação (0,125 pontos)
3) O que pode ter piorado o quadro clinico desde a primeira apresentação na UPA? (0,125 pontos)
4) Qual a principal suspeita diagnóstica? (0,125 pontos)




RATING: 2.99

1) Frente á esse quadro qual é o exame de laboratório que não foi solicitado e tem que ser pedido em seguida? (0,125 pontos)
O INR!!! Estamos na frente duma alta suspeita de encefalopatia com hepatopatia. INR >2 deve ser sempre um sinal de alarme: Vitamina K deve ser administrada e INR repetido em 6 horas. Na auseência de melhora, o pediatra deve contatar especialista/ centro de referência em transplante para que o paciente seja precocemente encaminhado e admitido em local que possa receber suporte adequado.
2) Qual o grau de encefalopatia apresentada pela criança no momento da internação (0,125 pontos)


Provavelmente uma encefalopatia grau I (conforme a tabela, há mudança de comportamento com reflexos normais).
3) O que pode ter piorado o quadro clinico desde a primeira apresentação na UPA? (0,125 pontos)
Observa-se que a criança recebeu tanto na UPA quanto para tratamento domiciliar o acetaminofeno - um 'inimigo' do figado - mesmo que a dose está correta, se algum outro fator causou a hepatopatia, o paracetamol com certeza contribuiu na piora do quadro.
4) Qual a principal suspeita diagnóstica? (0,125 pontos)
Insuficiência hepática aguda é classicamente definida (definição da década de 70) pela evolução para encefalopatia em menos de 8 semanas, e ausência de doença hepática crônica. Em pediatria, muitas vezes difícil definir encefalopatia (sobretudo em crianças menores, que podem apresentar apenas irritabilidade). É um evento raro, mas com alta letalidade. Em geral mesmo grandes centros, transplantam em média 5-8 casos por insuficiencia hepática aguda por ano. O correto é que esses centros recebam e manejem essas crianças, ainda que na evolução elas não vão à transplante. Letalidade chega a ultrapassar 1/3 dos casos. História natural é dificil de ser discutida. Crianças são listadas para transplante e se tornam prioridade em nível nacional.

AVALIE ESSE CASO CLINICO: (2.99)

Todos os direitos reservados. 2019.
O site misodor.com está online desde 04 de novembro de 2008
O nome, o logo e o site misodor são propriedade declarada do webmaster
Qualquer conteudo deste site pode ser integralmente ou parcialmente reproduzido, com a condição da menção da fonte.