m  i  s  o  d  o  r


        SITE PREPARATORIO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA, REVALIDA, CONCURSOS PUBLICOS E PROVAS DE TITULO

 


usuario: senha:


NÃO SOU CADASTRADO
                                                         NÃO LEMBRO A SENHA/USUÁRIO



583 USUARIOS INSCRITOS

99 PROVAS FEITAS POR ASSINANTES

710 RECADOS DOS VISITANTES


NOSSO BANCO DE PROVAS TEM:
5488 QUESTÕES OBJETIVAS, PRECISAMENTE:

1235 DE CLINICA, 2241 DE PEDIATRIA, 1204 DE CIRURGIA, 191 DE OBSTETRICA-GINECOLOGIA, 338 DE SAUDE PUBLICA
93 QUESTÕES DISSERTATIVAS E 133 CASOS CLINICOS

 

 

 

 


LIDERES DAS PROVAS - CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO COMPLETA AQUI:
Pos.    Nickname Pontuação Media Nr. provas
1.    TARGIGNIS 137.00 7.829 7
2.    ROSA MARIA 127.00 7.257 7
3.    ANGELINA 119.00 6.800 7
SURPRESAS PARA OS ASSINANTES QUE ESTÃO USANDO A PLATAFORMA DE PROVAS ONLINE!
EM BREVE, NOSSO PATROCINADOR VAI OFERECER PREMIOS SUBSTANCIAIS EM DINHEIRO PARA OS USUARIOS COM AS MELHORES PONTUAÇÕES NAS PROVAS!

CONFIRA ALGUNS EXEMPLOS, ESCOLHIDAS PELO SISTEMA ALEATÓRIO:

OBJETIVA:
Uma menina de 6 meses, com história de febre, tosse, coriza e diarreia há 2 dias, chega ao pronto-socorro desidratada, taquipneica e hipoativa. Após ter sido hidratada com 2 expansões com soro fisiológico, foram colhidos os seguintes exames séricos: pH = 7,05, pCO2 = 30 mmHg, HCO3 = 8 mEq/L, BE = -12, pO2 = 100 mmHg, sódio = 138 mEq/L, potássio = 3 mEq/L e cloro = 118 mEq/L. Com relação a esse caso, podemos afirmar que:
A. a conduta ideal é corrigir ern 1° lugar a acidose. com bicarbonato, e só depois corrigir o potássio
B. o ânion-gop está aumentado em decorrência de acidose láctica
C. a acidose pode ser corrigida com expansão de Ringer lactato
D. a gasometria indica uma acidose mista
E. a hipocalemia observada pode levar a alargamento progressivo do intervalo QRS

Uma menina de 6 meses, com história de febre, tosse, coriza e diarreia há 2 dias, chega ao pronto-socorro desidratada, taquipneica e hipoativa. Após ter sido hidratada com 2 expansões com soro fisiológico, foram colhidos os seguintes exames séricos: pH = 7,05, pCO2 = 30 mmHg, HCO3 = 8 mEq/L, BE = -12, pO2 = 100 mmHg, sódio = 138 mEq/L, potássio = 3 mEq/L e cloro = 118 mEq/L. Com relação a esse caso, podemos afirmar que:

A. a conduta ideal é corrigir ern 1° lugar a acidose. com bicarbonato, e só depois corrigir o potássio
INCORRETO: veja a resposta da alternativa D
B. o ânion-gop está aumentado em decorrência de acidose láctica
INCORRETO : veja a resposta da alternativa D
C. a acidose pode ser corrigida com expansão de Ringer lactato
INCORRETO : veja a resposta da alternativa D
D. a gasometria indica uma acidose mista
CORRETO : sem duvida, há acidose. A partir da definição da alteração no pH, sabe-se que esse é o fenômeno primário acidose ou alcalose. Agora basta somente esclarecer se o motivo dessa alteração é metabólica ou respiratória. Ou ambas! A faixa da normalidade do pCO2 situa-se entre 35 e 45 mmHg. Até o porteiro do hospital sabe isso. Porém, o medico sabe que deve usar o valor de 40 mmHg como o “fiel da balança”. Igualzinho no caso do pH, qualquer valor acima de 40 mmHg é interpretado como acidose respiratória e abaixo dessa cifra como alcalose respiratória. Neste caso, diria que há alcalose respiratoria, porém, existe uma íntima relação entre o pH e o nível sérico de dióxido de carbono:PARA CADA 10 MMHG MODIFICADOS NO pCO2 IMPLICARÁ EM UMA ALTERAÇÃO DE 0,08 NO pH. Mas não há, neste caso, uma correspondência exata, o pH está bem mais baixo. A faixa da normalidade do HCO3 situa-se entre 22 e 26 mEq/L., entretanto para efeitos de interpretação para identificar o provável mecanismo primário e o mecanismo compensador, utiliza-se o valor de 24 mEq/L como o “fiel da balança”.O pH tem uma correlação com o CO2, porém, existe, no mesmo tempo, uma íntima relação entre o pH e o nível sérico de bicarbonato de sódio.PARA CADA 10 MEQ/L MODIFICADOS NO HCO3 IMPLICARÁ EM UMA ALTERAÇAO DE 0,15 NO PH, ou seja, parece mais provável que o HCO3 baixo causou a queda do pH, ou seja, temos uma acidose metabolica. Ou seja, há acidose respiratoria e acidose metabolica.
E. a hipocalemia observada pode levar a alargamento progressivo do intervalo QRS
INCORRETO : veja a resposta da alternativa D

Gabarito:  D

DISCURSIVA:
A 1ª hora de atendimento ao paciente pediatrico em choque séptico tem alto impacto em morbi-mortalidade. Para isso, é recomendado o atendimento sistematizado, em sala de emergência.

1) Quais são, conforme o protocolo, os patrâmetros que devem ser monitorizados? 0,3 pontos

2) Após a monitorização quais são os principios basicos de atendimento? 0,2 pontos



A 1ª hora de atendimento ao paciente pediatrico em choque séptico tem alto impacto em morbi-mortalidade. Para isso, é recomendado o atendimento sistematizado, em sala de emergência.

1) Quais são, conforme o protocolo, os patrâmetros que devem ser monitorizados? 0,3 pontos

2) Após a monitorização quais são os principios basicos de atendimento? 0,2 pontos

1) Quais são, conforme o protocolo, os patrâmetros que devem ser monitorizados? 0,3 pontos

  1. Oximetria de pulso continua; - 0,05 p
  2. Monitorização cardiaca: ECG contínuo; - 0,05 p
  3. Controle de pressão arterial (PA) 15/15min; - 0,05 p
  4. Monitorização de temperatura; - 0,05 p
  5. Monitorização de débito urinário (h/h); - 0,05 p
  6. Ecocardiograma funcional; - 0,05 p

2) Após a monitorização quais são os principios basicos de atendimento? 0,2 pontos

  1. Ofertar oxigênio de alto fluxo (máscara não reinalante ou cateter nasal de alto fluxo se disponível) - 0,025 p;
  2. Coleta de exames: Gasometria e Lactato (arterial ou venoso), Glicemia, Cálcio iônico, Na, K, HMG completo, INR HMC e culturas direcionadas ao foco infeccioso. Paciente com cateter: HMC central e periférica. - 0,025 p;
  3. Em recém-nascidos (RNs): LCR e UI/UROC - 0,025 p;
  4. Obtenção de acesso venoso ou intra-ósseo - 0,025 p;
  5. Ressuscitação volêmica: 40 - 60 ml/kg, atentando para sobrecarga de volume (estertores pulmonares, hepatomegalia e ritmo de galope). - 0,025 p;
  6. Antibioticoterapia de amplo espectro, de acordo com foco infeccioso - 0,025 p;
  7. Correção de hipoglicemia e/ou hipocalcemia - 0,025 p;
  8. Introdução precoce de inotrópico - 0,025 p;

FONTE:
PROTOCOLO DO CHOQUE SEPTICO PEDIATRICO - HOSPITAL ISRAELITA "ALBERT EINSTEIN"

CASO CLINICO:
Uma mulher de 52 anos (IMC = 33 kg/m2), refere ter ficado ictérica por alguns dias, há cerca de um mês. Somado ao quadro houve vômitos alimentares e dor abdominal. Em sua história pregressa, episódios de dor em cólica no hipocôndrio direito após libações alimentares nos últimos 4 anos. Foi submetida à ultra-sonografia abdominal e, em seguida, ao seguinte exame (FIGURA):


Pergunta-se:
a) Qual o exame realizado? (0,05 pontos);
b) Há necessidade de profilaxia antibiótica para realização deste exame? Caso sua resposta seja SIM, cite um esquema que você prescreveria. (0,3 pontos);
c) Qual o diagnóstico? (0,05 pontos).
d) Qual o tratamento definitivo? (0,1 pontos).


a) Qual o exame realizado?
Colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE).(0,05 p);
b) Há necessidade de profilaxia antibiótica para realização deste exame? Caso sua resposta seja SIM, cite um esquema que você prescreveria.
Sim, prescreveria.(0,05 p) Ampicilina (2,0 g IV) (0,05 p) e gentamicina (80 mg IV)(0,05 p), 30 minutos antes do procedimento (0,05 p). Ou Ciprofloxacina, 750 mg, VO(0,05 p), 2 horas antes.(0,05 p)
c) Qual o diagnóstico?
Coledocolitíase.(0,05 p)
d) Qual o tratamento definitivo?
Papilotomia endoscópica seguida de extração dos cálculos.(0,05 p) Colecistectomia na mesma internação.(0,05 p)

Todos os direitos reservados. 2019.
O site misodor.com está online desde 04 de novembro de 2008
O nome, o logo e o site misodor são propriedade declarada do webmaster
Qualquer conteudo deste site pode ser integralmente ou parcialmente reproduzido, com a condição da menção da fonte.