m  i  s  o  d  o  r


        SITE PREPARATORIO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA, REVALIDA, CONCURSOS PUBLICOS E PROVAS DE TITULO

usuario: senha:


NÃO SOU CADASTRADO
                                                         NÃO LEMBRO A SENHA/USUÁRIO



1052 USUARIOS INSCRITOS

211 PROVAS FEITAS POR ASSINANTES

719 RECADOS DOS VISITANTES


NOSSO BANCO DE PROVAS TEM:
6238 QUESTÕES OBJETIVAS, PRECISAMENTE:

1449 DE CLINICA, 2689 DE PEDIATRIA, 1260 DE CIRURGIA, 201 DE OBSTETRICA-GINECOLOGIA, 361 DE SAUDE PUBLICA
103 QUESTÕES DISSERTATIVAS E 138 CASOS CLINICOS

"HALL OF FAME" - CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO GERAL AQUI:

Pos.    Nickname Pontuação Media Nr. provas
1.    KATY 581.90 2.520 21
2.    MO 482.00 9.181 21
3.    TARGIGNIS 424.30 6.573 11

SITES RECOMENDADOS:

 

CONFIRA ALGUNS EXEMPLOS, ESCOLHIDOS PELO SISTEMA ALEATÓRIO:

OBJETIVA: (252293 votos)..........99.02% das questões objetivas receberam votos.
Segundo o fluxograma do Ministério da Saúde para diagnóstico da transmissão vertical pelo HIV em filhos de mãe HIV positivas, marque a opção INCORRETA:
A. No caso de mulheres em trabalho de parto que não realizaram o teste ELISA HIV durante a gestação ou não dispõem do resultado, deve-se realizar o Teste Rápido para detecção de anticorpos na chegada à maternidade.
B. Deve-se realizar o primeiro teste ELISA-HIV nas primeiras horas de vida para avaliar a indicação de AZT para o recém-nascido.
C. Duas cargas virais negativas sendo uma após os 4 meses de vida excluem a infecção na criança, necessitando apenas de um teste ELISA - HIV negativo dos 18-24 meses de vida para documentar a reversão sorológica.
D. Nas crianças com mais de 18 meses, um teste ELISA-HIV negativo exclui a infecção.
E. Caso a criança esteja sendo amamentada ao seio pela mãe deve-se iniciar o protocolo de exames diagnósticos dois meses após a suspensão da amamentação para minimizar a ocorrência de falso-negativos.

  RATING: 3.17

Segundo o fluxograma do Ministério da Saúde para diagnóstico da transmissão vertical pelo HIV em filhos de mãe HIV positivas, marque a opção INCORRETA:

A. No caso de mulheres em trabalho de parto que não realizaram o teste ELISA HIV durante a gestação ou não dispõem do resultado, deve-se realizar o Teste Rápido para detecção de anticorpos na chegada à maternidade.
CORRETO: PORTARIA Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009:

1.1 - O diagnóstico rápido poderá ser realizado nas seguintes situações especiais:

a)Rede de serviços de saúde sem infraestrutura laboratorial ou localizada em regiões de difícil acesso;
b)Centro de Testagem e Aconselhamento - CTA;
c)Segmentos populacionais flutuantes;
d)Segmentos populacionais mais vulneráveis;
e)Parceiros de pessoas vivendo com HIV/AIDS;
f)Acidentes biológicos ocupacionais, para teste no paciente fonte;
g)Gestantes que não tenham sido testadas durante o pré-natal ou cuja idade gestacional não assegure o recebimento do resultado do teste antes do parto;
h)Parturientes e puérperas que não tenham sido testadas no pré-natal ou quando não é conhecido o resultado do teste no momento do parto;
i)Abortamento espontâneo, independentemente da idade gestacional;
j)Outras situações especiais definidas pelo Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis e Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.


B. Deve-se realizar o primeiro teste ELISA-HIV nas primeiras horas de vida para avaliar a indicação de AZT para o recém-nascido.
INCORRETO : Não precisa realizar o teste ELISA. Segundo o Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos, o esquema profilático com a zidovudina é o seguinte: Pós-parto: administração ao recém-nascido de 2mg/kg/ dose de zidovudina (sob a forma de xarope), de 6 em 6h, nas primeiras 6 semanas de vida, com início nas primeiras 8 a 12h de vida; nos recém-nascidos que não tolerarem a zidovudina por via oral, deverá esse medicamento ser administrado por via intravenosa, na dose de 1,5mg/kg, de 6 em 6h. Para crianças com menos de 35 semanas de gestação ao nascimento deve-se indicar 1,5mg/ kg/dose de zidovudina, por via intravenosa, ou 2mg/kg/ dose, por via oral, de 12 em 12h, mudando o intervalo entre as doses para 8 horas depois de o recém-nascido ter completado 2 semanas de vida, se apresentava mais de 30 semanas de gestação ao nascimento, ou depois de ter completado 4 semanas de vida, se apresentava menos de 30 semanas de gestação ao nascimento.
C. Duas cargas virais negativas sendo uma após os 4 meses de vida excluem a infecção na criança, necessitando apenas de um teste ELISA - HIV negativo dos 18-24 meses de vida para documentar a reversão sorológica.
CORRETO : CONSENSO SOBRE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL PARA CRIANÇAS INFECTADAS PELO HIV - 1999:
Infecção excluída:
  • Duas amostras negativas, por meio dos seguintes métodos: cultivo do vírus; e detecção de RNA ou DNA viral, entre 1 e 6 meses, sendo uma delas após o 4º mês de vida.
  • Idade > 6 meses = duas amostras negativas em testes de detecção para anticorpos anti-HIV, utilizando fluxograma do Ministério da Saúde, com intervalo de 1 mês.
  • Idade > 18meses = uma amostra negativa em testes de detecção para anticorpos anti-HIV, utilizando fluxograma do Ministério da Saúde.

D. Nas crianças com mais de 18 meses, um teste ELISA-HIV negativo exclui a infecção.
CORRETO : veja a resposta da questão C
E. Caso a criança esteja sendo amamentada ao seio pela mãe deve-se iniciar o protocolo de exames diagnósticos dois meses após a suspensão da amamentação para minimizar a ocorrência de falso-negativos.
CORRETO : a amamentação tem que ser, normalmente contraindicada em caso de infecção HIV ; e uma das contraindicações justificadas da amamentação. Sea criança recebeu leite materno, considera-se que foi exposta, ou seja, vai ter que confirmar ou infirmar uma infecção. Esse período, antes do advento dos testes sorológicos mais sensíveis para o diagnóstico da infecção pelo HIV, era de aproximadamente 6 a 8 semanas, contadas a partir da data da ocorrência da infecção, sabendo-se que mais de 95% dos indivíduos já possuem anticorpos séricos detectáveis por intermédio do ELISA 6 semanas depois da ocorrência da infecção.Recentemente,com a possibilidade da pesquisa no sangue de anticorpos anti-HIV da classe imunoglobulina M (IgM), a duração da janela imunológica foi reduzida para 28 dias, mas não esqueça  que a questão é da prova de 2007 do UFMT (revalidação)

Gabarito:  B

AVALIE ESSA QUESTÃO: (3.17)
DISCURSIVA: (17746 votos) ..........100% das questões discursivas receberam votos.
I) Quais são as categorias da classificação funcional da anemia?(0,15 pontos)
II) Qual é a composição dos corpúsculos de Howell-Jolly? Que patologias eles podem sugerir?(0,20 pontos)
III) Enumeram os elementos essenciais da eritropoiese.(0,15 pontos)

RATING: 3

I) Quais são as categorias da classificação funcional da anemia?(0,15 pontos)
II) Qual é a composição dos corpúsculos de Howell-Jolly? Que patologias eles podem sugerir?(0,20 pontos)
III) Enumeram os elementos essenciais da eritropoiese.(0,15 pontos)

I) Quais são as categorias da classificação funcional da anemia?
RESPOSTA: A classificação funcional da anemia tem três categorias principais:
(1) defeitos na produção medular (hipoproliferação)(0,05 p)
(2) defeitos na maturação dos eritrócitos (eritropoiese ineficaz)(0,05 p)
(3) diminuição da sobrevida dos eritrócitos (perda de sangue/hemólise).(0,05 p)

II) Qual é a composição dos corpúsculos de Howell-Jolly? Que patologias eles podem sugerir?
RESPOSTA: Os corpúsculos de Howell-Jolly são remanescentes de material nuclear presentes no interior dos eritrócitos.(0,05 p)
Aparecem no sangue periférico após esplenectomia (0,05 p) ou em situações de hipoesplenismo (0,05 p) ou asplenia funcional, por exemplo, nas doenças falciformes.(0,05 p)

III) Enumeram os elementos essenciais da eritropoiese
RESPOSTA:
(1) produção de EPO (0,0375 p)
(2) disponibilidade de ferro (0,0375 p)
(3) capacidade de proliferação da medula óssea (0,0375 p)
(4) maturação efetiva dos precursores eritroides (0,0375 p)

FONTE:
Hematologia e oncologia de Harrison [recurso eletrônico] / Organizador, Dan L. Longo; Equipe de tradução do Medicina Interna de Harrison 18. ed.: Adernar Valadares Fonseca ... [et al.]; [Equipe de revisão técnica do Medicina Interna de Harrison 18. ed.: Almir Lourenço da Fonseca ... et al.]. - 2. ed. - Dados eletrônicos. - Porto Alegre: AMGH, 2015.

AVALIE ESSA QUESTÃO: (3)

CASO CLINICO: (23926 votos)..........100% dos casos clinicos receberam votos.
Adolescente, 12 anos e sete meses de idade, sexo masculino, procedente da Amazonas, sem diagnósticos prévios e relato de que nunca havia sido avaliado por médico anteriormente. Foi encaminhado para o Hospital com queixa de episódios eméticos e edema em face, abdome, membros inferiores e bolsa escrotal. Na ocasião apresentava-se anasarcado, oligúrico, dispnéico, perfusão periférica regular, fígado palpável a aproximadamente 4 cm abaixo do rebordo costal direito e com sopro cardíaco.
Na ocasião da admissão, apresentava sinais de desnutrição (índice de massa corporal de 12,46 Kg/m2 – abaixo do percentil 3, cianose, saturação de O2 entre 68 e 70% em ar ambiente, dedos em baqueta de tambor, sopro sistólico 3+/6+ em borda esternal esquerda alta e 2+/6+ em borda esternal esquerda baixa, além de hemoconcentração importante.

Os exames estão abaixo:

A radiografia de tórax realizada no momento da admissão apresentava alterações como: arco aórtico posicionado a direita e trama vascular diminuída em periferia pulmonar.

1) Qual é a suspeita diagnóstica? - 0,25 pontos
2) Qual é o exame que vai ser solicitado em seguida? - 0,25 pontos


RATING: 3

1) Qual é a suspeita diagnóstica? 0,25 p
Cardiopatia congênita (provavelmente tetralogia Fallot)
Vamos analisar: temos desnutrição, baqueteamento digital, poliglobulia maciça, sopro sistólico e arco aórtico á direita. São sinais patognomônicos para hipoxia cronica causada por algum defeito cardíaco. Cardiopatias congênitas são anomalias do aparelho circulatório presentes desde o nascimento, sendo divididas em cianóticas e acianóticas. A Tetralogia de Fallot é a cardiopatia cianótica mais comum, caracterizada por comunicação interventricular, estenose subpulmonar, origem biventricular da valva aórtica e hipertrofia ventricular direita. O diagnóstico costuma ser realizado no primeiro ano de vida devido às manifestações clínicas precoces, na maioria dos casos. Contudo, em alguns casos, a associação de outras malformações cardíacas e falhas no sistema de saúde podem contribuir para realização de diagnósticos tardios, aumentando a probabilidade de prognósticos desfavoráveis.
2) Ecocardiograma 0,25 p
A ecocardiografia é considerada o instrumento essencial para o diagnóstico.

AVALIE ESSE CASO CLINICO: (3)

Todos os direitos reservados. 2019.
O site misodor.com está online desde 04 de novembro de 2008
O nome, o logo e o site misodor são propriedade declarada do webmaster
Qualquer conteudo deste site pode ser integralmente ou parcialmente reproduzido, com a condição da menção da fonte.