m  i  s  o  d  o  r


        SITE PREPARATORIO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA, REVALIDA, CONCURSOS PUBLICOS E PROVAS DE TITULO

usuario: senha:


NÃO SOU CADASTRADO
                                                         NÃO LEMBRO A SENHA/USUÁRIO



820 USUARIOS INSCRITOS

166 PROVAS FEITAS POR ASSINANTES

712 RECADOS DOS VISITANTES


NOSSO BANCO DE PROVAS TEM:
5813 QUESTÕES OBJETIVAS, PRECISAMENTE:

1276 DE CLINICA, 2513 DE PEDIATRIA, 1206 DE CIRURGIA, 201 DE OBSTETRICA-GINECOLOGIA, 339 DE SAUDE PUBLICA
98 QUESTÕES DISSERTATIVAS E 135 CASOS CLINICOS


CLASSIFICAÇÃO I CONCURSO SETEMBRO 2019
VEJA A CLASSIFICAÇÃO INTEIRA AQUI
Pos. Nickname Pontuação Premio Provas
1.   LULALIVRE 308.00    300 R$  10
2.   YURIKANG 215.00      3
3.   TERRY_BUENO 113.00      5
4.   MO 109.00      5
5.   MARIA 89.00      4
6.   DAMIAN 68.00      4

"HALL OF FAME" - CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO GERAL AQUI:

Pos.    Nickname Pontuação Media Nr. provas
1.    LULALIVRE 308.00 8.220 10
2.    MO 261.00 8.700 12
3.    YURIKANG 215.00 6.333 3

CONFIRA ALGUNS EXEMPLOS, ESCOLHIDOS PELO SISTEMA ALEATÓRIO:

OBJETIVA: (16684 votos)..........58.95% das questões objetivas receberam votos.
Lactente em aleitamento materno exclusivo, com bom desenvolvimento pôndero- estatural, apresenta regurgitações após cada mamada, mas sem broncoespasmo. A conduta mais adequada é iniciar medidas posturais e:
A. aleitamento misto
B. cisaprida
C. observação
D. ranitidina
E. encaminhar para prova de refluxo

  RATING: 0

Lactente em aleitamento materno exclusivo, com bom desenvolvimento pôndero- estatural, apresenta regurgitações após cada mamada, mas sem broncoespasmo. A conduta mais adequada é iniciar medidas posturais e:

A. aleitamento misto
INCORRETO: veja a resposta da alternativa C
B. cisaprida
INCORRETO : veja a resposta da alternativa C
C. observação
CORRETO : Há um ditado popular que afirma: 'bebê que golfa, engorda!' É muito comum esta situação de refluxo fisiológico devido à imaturidade do esfíncter esofagiano inferior em um lactente hígido. A melhor conduta é diminuir a duração das mamadas, aumentar o intervalo entre elas e colocar o bebê para eructar entre um peito e outro. Sendo assim, para esse lactente do enunciado, a melhor conduta é a expectante. Como não se trata de 'refluxo gastroesofágico' não devemos prescrever ranitidina.
D. ranitidina
INCORRETO : veja a resposta da alternativa C
E. encaminhar para prova de refluxo
INCORRETO : veja a resposta da alternativa C

Gabarito:  C

AVALIE ESSA QUESTÃO: (0)
DISCURSIVA: (3828 votos) ..........100% das questões discursivas receberam votos.
A 1ª hora de atendimento ao paciente pediatrico em choque séptico tem alto impacto em morbi-mortalidade. Para isso, é recomendado o atendimento sistematizado, em sala de emergência.

1) Quais são, conforme o protocolo, os patrâmetros que devem ser monitorizados? 0,3 pontos

2) Após a monitorização quais são os principios basicos de atendimento? 0,2 pontos



RATING: 3

A 1ª hora de atendimento ao paciente pediatrico em choque séptico tem alto impacto em morbi-mortalidade. Para isso, é recomendado o atendimento sistematizado, em sala de emergência.

1) Quais são, conforme o protocolo, os patrâmetros que devem ser monitorizados? 0,3 pontos

2) Após a monitorização quais são os principios basicos de atendimento? 0,2 pontos

1) Quais são, conforme o protocolo, os patrâmetros que devem ser monitorizados? 0,3 pontos

  1. Oximetria de pulso continua; - 0,05 p
  2. Monitorização cardiaca: ECG contínuo; - 0,05 p
  3. Controle de pressão arterial (PA) 15/15min; - 0,05 p
  4. Monitorização de temperatura; - 0,05 p
  5. Monitorização de débito urinário (h/h); - 0,05 p
  6. Ecocardiograma funcional; - 0,05 p

2) Após a monitorização quais são os principios basicos de atendimento? 0,2 pontos

  1. Ofertar oxigênio de alto fluxo (máscara não reinalante ou cateter nasal de alto fluxo se disponível) - 0,025 p;
  2. Coleta de exames: Gasometria e Lactato (arterial ou venoso), Glicemia, Cálcio iônico, Na, K, HMG completo, INR HMC e culturas direcionadas ao foco infeccioso. Paciente com cateter: HMC central e periférica. - 0,025 p;
  3. Em recém-nascidos (RNs): LCR e UI/UROC - 0,025 p;
  4. Obtenção de acesso venoso ou intra-ósseo - 0,025 p;
  5. Ressuscitação volêmica: 40 - 60 ml/kg, atentando para sobrecarga de volume (estertores pulmonares, hepatomegalia e ritmo de galope). - 0,025 p;
  6. Antibioticoterapia de amplo espectro, de acordo com foco infeccioso - 0,025 p;
  7. Correção de hipoglicemia e/ou hipocalcemia - 0,025 p;
  8. Introdução precoce de inotrópico - 0,025 p;

FONTE:
PROTOCOLO DO CHOQUE SEPTICO PEDIATRICO - HOSPITAL ISRAELITA "ALBERT EINSTEIN"

AVALIE ESSA QUESTÃO: (3)

CASO CLINICO: (5407 votos)..........100% dos casos clinicos receberam votos.
PHRS, 3 meses e 14 dias, pardo, natural de Brasília e procedente de São Sebastião, trazido pela mãe com queixa principal Febre e tosse há 7 dias. 

Mãe refere que o lactente iniciou quadro de febre (38,7º C a 39,4º C) há 7 dias, que melhorava com paracetamol. Associava-se ao quadro tosse produtiva e dispnéia. A mãe então procurou o centro de saúde de São Sebastião, onde foi medicado com sintomáticos e nebulização, posteriormente sendo encaminhado ao PS do HRAS. No momento negava quaisquer outros sintomas. Criança nascida de parto normal, hospitalar, a termo (39 semanas), chorou ao nascer, APGAR 9/10.Peso: 3070 g;    Estatura: 49 cm   PC: 35 cm.  Alta pós-parto: 48 hs de vida, desenvolvimento neuropsicomotor adequado; aleitamento exclusivo, vacinação completa (conferido no cartão).
Reside em casa de alvenaria, 5 cômodos, 3 pessoas, água tratada, rede de esgoto e energia elétrica. Refere ter carpete em casa e cortinas de pano. Nega tabagismo em casa. Exame físico: Criança REG, hipocorado (+/4+), acianótico, anictérico, hidratado, taquipneíco, afebril.  Peso: 6,5 Kg, cumprimento 61 cm.

ACV: RCR, 2T, BNF, sem sopros  FC: 124 bpm. AR: MV com estertores crepitantes em base pulmonar direita. Ausência de tiragem e batimento de asa de nariz. FR: 60 irpm 
ABD: globoso, flácido, RHA+, indolor a palpação, sem visceromegalias.  Genitália: masculina, sem alterações 
Neurológico: reflexos adequados a idade.

Radiografia de tórax:  Presença de condensação em lobo inferior direito, sem derrame pleural.

QUESTÕES:
1) Avaliam o desempenho estaturo-ponderal desta criança, segundo o grafico abaixo. Quais são as medidas necessárias? (0,3 p)

2) Qual é a suspeita diagnóstica, justificando seu raciocinio ? Qual é o agente etiologico mais frequente nesta faixa etária? (0,1 p)
3)  Baseando-se no seu diagnóstico proponha uma esquema terapeutica para esse caso. (0,1 p)


RATING: 3.24

1) Avaliam o desempenho estaturo-ponderal desta criança. Quais são as medidas necessarias?

No primeiro trimestre, a criança ganha normalmente 700 g/mês (25 a 30 gramas por dia); sendo que o peso á nascer foi 3070 g, idealmente seria que agora a criança pesaria 3090 + 750 + 750 + 750, ou seja 5340 g. (0,1 p) A criança tem 6.500 g, então até agora esta tudo bem, ganhou peso e a altura, sendo inicialmente 49 cm, e, sabendo que no primeiro semestre, crescem 15 centímetros, ou seja 2,5 cm/mes, resulta que o peso deveria ser pelo menos 56,5 e ele tem ja 61, ou seja a criança está no percentil 50 tanto por peso quanto para estatura, o que mostra um crescimento excelente. (0,1 p). Entre P 97 e P 10, Curva de crescimento ascendente. Condição de crescimento satisfatório. Parabenizar a mãe sobre o crescimento satisfatório da criança. Marcar retorno de acordo com o calendário mínimo de consultas. (0,1 p)

2) Qual é a suspeita diagnóstica, justificando seu raciocinio ? Qual é o agente etiologico mais frequente nesta faixa etária? 

A criança tem como principais e mais importantes dados diagnósticos: tosse e dispneia, associada com febre. O exame radiologico mostra condensação lobar, ou seja, praticamente, temos todos os dados clinicos para diagnosticar uma PNEUMONIA BACTERIANA. (0,05 p)

Na faixa etária de 3 semanas a 3 meses a Chlamydia trachomatis é responsável pela maioria dos casos de pneumonia afebril do lactente e a Bordetella pertussis, pela coqueluche. Contudo, no caso, a criança apresentou febre, o que levanta a suspeita de uma pneumonia bacteriana. O S. pneumoniae permanece como a causa mais comum de infecção bacteriana dos pulmões em todas as idades.  (0,05 p)

3)  Baseando-se no seu diagnóstico proponha uma esquema terapeutica para esse caso.

Penicilina Cristalina 150.000 UI/Kg/dia (0,025 p)

Dipirona IV 0,2 ml  (0,025 p)

Hidratação Venosa (manter veia)  (0,025 p)

Internação hospitalar  (0,025 p)

AVALIE ESSE CASO CLINICO: (3.24)

Todos os direitos reservados. 2019.
O site misodor.com está online desde 04 de novembro de 2008
O nome, o logo e o site misodor são propriedade declarada do webmaster
Qualquer conteudo deste site pode ser integralmente ou parcialmente reproduzido, com a condição da menção da fonte.