MISODOR - SITE DE ESTUDO E TREINAMENTO PARA PROVAS DA ÁREA MÉDICA

RECOMENDAÇÃO PARA RESUMOS: NOVAPEDIATRIA.COM.BR

 

639 RECADOS
CLINICA MEDICA               CIRURGIA               PEDIATRIA           GINECOLOGIA              SAÚDE PUBLICA E LEGISLAÇÃO
QUESTÕES OBJETIVAS      QUESTÕES DISSERTATIVAS     CASOS CLINICOS     PROVAS ANTERIORES     SIMULADOR
BANCO DE PROVAS EM CONTINUA EXPANSÃO, ATUALMENTE COM 4017 QUESTÕES OBJETIVAS, 44 QUESTÕES DISCURSIVAS E 48 CASOS CLINICOS, TODAS COM GABARITO COMENTADO
EXPERIMENTE AQUI! SEQUÊNCIA RÁPIDA DE INTUBAÇÃO NA CRIANÇA!

CARDIOPATIAS CONGÊNITAS

Um sopro cardíaco é observado no primeiro dia de vida de um neonato nascido a termo de um parto sem complicações. O sopro é descrito como um sopro sistólico de ejeção de grau 2/6 de predomínio na borda esternal esquerda alta. As bulhas cardíacas são normais. A pressão sanguínea é normal. Os pulsos periféricos são normais. A saturação de oxigênio é de 100% em ar ambiente. No terceiro dia de vida, o sopro mudou de sistólico para contínuo, novamente de predominância na borda esternal esquerda alta. O bebê parece bem e está tolerando as amamentações sem dificuldades. Qual a provável causa deste sopro cardíaco?

A. canal arterial patente
B. defeito do septo atrial
C. defeito do septo ventricular
D. estenose pulmonar periférica
E. estenose aórtica

A. canal arterial patente
CORRETO: A causa mais provável deste sopro é um canal arterial patente. O canal arterial é necessário para a circulação fetal; entretanto, a estrutura geralmente fecha em horas após o parto decorrente das mudanças na tensão de oxigênio, assim como outros fatores circulantes, como a prostaglandina. Persistência do canal arterial ocorre em aproximadamente 0,8 por 1.000 nascimentos, porém é muito mais comum em recém-nascidos prematuros com uma incidência tão alta quanto 20% em neonatos pesando menos de 1.750 g. Em pacientes com baixa tensão de oxigênio, hipertensão pulmonar, ou doença cardíaca congênita, há fechamento tardio do canal arterial.
B. defeito do septo atrial
INCORRETO : Defeitos do septo atrial são improváveis de causar um sopro cardíaco nesta idade
C. defeito do septo ventricular
INCORRETO : defeitos do septo ventricular causam um sopro holossistólico que não evolui para um sopro contínuo.
D. estenose pulmonar periférica
INCORRETO : Estenose pulmonar periférica está associada a um sopro sistólico de ejeção, que irradia para as costas e ambas as axilas.
E. estenose aórtica
INCORRETO : Estenose aórtica causa um sopro sistólico que não evolui para um sopro contínuo.

Gabarito: A

A. I. D. S.

As doenças oportunistas - infecções e neoplasias - e outras complicações decorrentes da imunodeficiência são as principais causas de morbimortalidade em doentes com AIDS. A medida que o déficit imunológico se agrava, aumenta a probabilidade de instalação de infecções oportunistas, geralmente quando o número de LT-CD4+ no sangue cai para determinados valores. Relacionado a isso, indique:

a) Qual é a limite considerada marco referencial para o risco de adoecimento? (0,1 p)
b) Quais são as infecções oportunistas mais frequentes no Brasil? (0,21 p)
c) Detalhe um metodo alternativo de avaliar o nível de CD4. (0,19 p)

a) O limite de 200 LT-CD4+/mm3 no sangue periférico constitui o marco referencial que norteia o risco de adoecimento (0,1 p)
b) Segundo dados do Ministério da Saúde, as infecções oportunistas que ocorrem mais comumente no Brasil, em doentes com AIDS, são constituídas por:
- candidíase (em esôfago, traqueia, brônquios e/ou pulmão),  0,03 p
- pneumonia por Pneumocystis carinii (atualmente denominado Pneumocystis jeroveci), 0,03 p
- tuberculose, 0,03 p
- toxoplasmose, 0,03 p
- herpes simples, 0,03 p
- criptococose 0,03 p
- criptosporidíase 0,03 p
c) Muitos estudos demonstraram a possibilidade de avaliar esse risco por intermédio do número de linfócitos no sangue periférico, comparando-o com o número de LT-CD4+, recurso utilizado sobretudo em regiões pobres, onde não existe a possibilidade de quantificar os LT-CD4+, estabelecendo-se que número de linfócitos totais no sangue menor que 1.400/mm3 corresponde a número de LT-CD4+ inferior a 200/mm3 e que número de linfócitos totais menor que 1.700/mm3 corresponde a número 124 de LT-CD4+ inferior a 350/mm3.
No Brasil, evidenciou-se que número de linfócitos no sangue periférico menor que 1.000/mm3, especialmente se a hemoglobina apresentar-se com taxa mais baixa que 13g%, mantém forte correlação com número de LT-CD4+ inferior a 200/mm3. (0,19 p)

a) e c)  http://misodor.com/SIDA.php#LIM
b) http://misodor.com/SIDA.php#INOP


Homem, 50 anos, diabetico e hipertenso, nega antecedentes mórbidos até a idade de 42 anos, época em que, durante exame médico de rotina no trabalho, foram detectados valores de pressão arterial de 140/96 mmHg. Nessa ocasião, o paciente era completamente assintomático do ponto de vista cardiovascular.

Exames laboratoriais normais, exceto por uma glicemia de 136 mg/dl etriglicérides de 180 mg/dl. Tais exames foram repetidos e confirmaram-se valores de glicemia e triglicérides anormais, tendo sido, na ocasião, feito diagnóstico de hipertensão arterial, diabetes melito e dislipidemia.

Desde o diagnóstico inicial, o paciente vem tomando regularmente 50 mg de hidroclorotiazida e 100 mg de atenolol. Foi orientada dieta com pouco sal e hipocalórica, sem adição de açúcar. Recentemente, o paciente foi encaminhado ao oftalmologista, que diagnosticou microaneurisma em vãos de retina, tendo sido realizada laserterapia.

Há três meses, foi reavaliado e, ao exame físico, apresentava um peso de 106 kg, pressão arterial na posição supina de 170/112 mmHg com freqüência cardíaca de 72 batimentos por minuto.

Apresentava hipotensão postural (PA = 130/90 mmHg em pé) sem variação de pulso.

Exame físico:

Paciente em bom estado geral, peso de 106 kg e altura de 1,70 m, apresentando fundo de olho com espasmo segmentar arteriolar, perda da relação arteriovenosa nos vasos da retina, alguns pontos sugestivos de microaneurismas em ambas as retinas e sinais cicatriciais de laserterapia prévia. A pressão arterial na posição supina estava em 160/104 mmHg e a freqüência cardíaca era de 68 batimentos por minuto. A pressão arterial na posição ortostática era de 120/88 mmHg, sem variação da freqüência cardíaca. Ausculta cardiopulmonar normal. Ausência de sopros carotídeos. Abdômen flácido, indolor, com fígado e baço não-palpáveis. Ruídos hidroaéreos anormais presentes . Ausência de sopros abdominais.

Extremidades com alterações tróficas de fâneros; pulsos presentes e simétricos, ausência de edemas.

Exames laboratoriais:

Glicemia de jejum de 172 mg/dl, potássio plasmático de 3,7 mEq/l, ácido úrico de 8 mg/dl, colesterol total de 230 mg/dl, HDL-colesterol de 28 mg/dl, LDLcolesterol não calculado devido aos valores elevados de triglicérides (450 mg/dl). Creatinina sérica de 1,8 mg/dl e uréia de 96 mg/dl.

Exame de Urina Rotina demonstrando a presença de proteínas. Proteinúria de 24 horas de 1,2 g/24 horas. Exames complementares: Eletrocardiograma e raios X de tórax dentro da normalidade para o biótipo do paciente.
Ecocardiograma mostrando alterações do relaxamento ventricular esquerdo, sem aumento da massa ventricular. Função sistólica preservada.

1) Definem uma relação entre os fatores de risco e patologia deste paciente (0,2 p)

2) Qual é o exame eletivo para diagnosticar, neste caso, o acometimento renal? Ele já foi realizado, examinando o historico do paciente?(0,1 p)

3) O paciente pergunta se ele corre risco de cegueira, mesmo com tratamento para hipertensão e diabetes. Qual vai ser a sua resposta? (0,2 p)

1) Este caso demonstra a associação de diabetes, hipertensão e dislipidemia além de obesidade, todos sendo considerados fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares.
Este paciente apresentou como lesão de órgão-alvo o desenvolvimento de retinopatia diabética e nefropatia que, provavelmente, é o resultado da associação de diabetes e da hipertensão arterial

2) O diagnóstico de certeza da nefropatia somente poderia ser feito através da biópsia renal, exame que não foi realizado neste caso .

3) Retinopatia diabética é uma das principais causas tratáveis de cegueira. A observação preventiva periódica é fundamental no paciente diabético.

FONTE: http://departamentos.cardiol.br/dha/revista/8-4/casoclinico.pdf